5 motivos para ler Julian Barnes | Livro Lab
Últimos vídeos    |  Se inscreva no canal
Leituras mais recentes – parte 1: thrillers e Meus 15 Anos  3 motivos para ver Descendentes 2, o novo filme do Disney Channel  Resenha: Civilizações – A Fonte: dois mundos, uma jornada, de Wallace Horta
Leituras de abril

5 motivos para ler Julian Barnes

5 motivos para ler 14 de maio de 2014 Aline T.K.M. 6 COMENTÁRIOS


Nascido em Leicester, Inglaterra, no dia 19 de janeiro de 1946, Julian Barnes é um dos autores ingleses que mais se destacam na atualidade. Graduou-se em Línguas Modernas e, dentre seus vários trabalhos, atuou como lexicógrafo para o Oxford English Dictionary. Também foi jornalista, editor, crítico de televisão e correspondente em Londres para a revista New Yorker.

Barnes é autor de romances, contos, ensaios; ficou conhecido no mundo todo com O Papagaio de Flaubert, publicado pela primeira vez em 1984.

Com a morte de sua esposa, Pat Kavanagh, devido a um tumor no cérebro em 2008, o autor confessou que chegou a pensar em suicídio. Ele fala sobre isso em seu mais recente livro, o parcialmente autobiográfico Altos Voos e Quedas Livres, editado este ano no Brasil pela Rocco.

Atualmente, Julian Barnes vive em Londres.

Depois de ter lido dois de seus livros (me preparando para ler vários outros...) e ficado maravilhada com a escrita do cara, não posso deixar de dividir com vocês cinco razões pelas quais vale a pena ler Barnes:

1. O escritor inglês coleciona prêmios; um dos mais lembrados é talvez o Man Booker Prize, que ganhou em 2011 com o livro O Sentido de um Fim. Admirado pelos franceses, ganhou dois importantes prêmios no país, o Prix Médicis e o Prix Femina; além de ter sido condecorado Chevalier, depois Officier, e então Commandeur de l’Ordre des Arts et des Lettres.

2. Tido como um dos mais brilhantes escritores britânicos contemporâneos, Barnes agrada tanto a crítica como o público. Sua prosa traz realidade, além de um forte traço psicológico. Ele mergulha na natureza das coisas, do amor e de tudo o que é verdadeiro, sem dispensar o toque irônico característico dos ingleses.

3. Barnes é um francófilo confesso! Em 1996, publicou Do Outro Lado da Mancha, com contos sobre as experiências dos britânicos na França através dos tempos. Já em 2002, publicou o livro Something to Declare: French Essays, que traz ensaios abordando a vida e cultura francesas. Além disso, o autor tem Flaubert como influência.

4. Sob o pseudônimo de Dan Kavanagh, o escritor publicou alguns thrillers policiais ao longo da década de 80.

5. Deixei a cereja para o final! O 5º motivo não podia ser outro senão esta declaração tão cheia de verdade, por Barnes (em inglês mesmo, não quis estragá-la com uma tradução livre qualquer):

“Writers should have the highest ambition: not just for themselves, but for the form they work in. Flaubert once rebuked Louise Colet for having the love of art yet lacking 'the religion of art': she fancied its rituals, the vestments and the incense, but did not finally believe in its revealed truths. I am a writer for an accumulation of lesser reasons (love of words, fear of death, hope of fame, delight in creation, distaste for office hours) and for one presiding major reason: because I believe that the best art tells the most truth about life. Listen to the competing lies: to the tatty rhetoric of politics, the false promises of religion, the contaminated voices of television and journalism. Whereas the novel tells the beautiful, shapely lies which enclose hard, exact truth. This is its paradox, its grandeur, its seductive dangerousness. Two famous deaths have been intermittently proclaimed for some time now: the death of God and the death of the novel. Both are exaggerated. And since God was one of the fictional impulse's earliest and finest creations, I'll bet on the novel - in however mutated a version - to outlast even God.” (Fonte)


PRINCIPAIS OBRAS:

Metroland (1980) – não lançado no Brasil
O Papagaio de Flaubert (1984)
Uma História do Mundo em 10 ½ Capítulos (1989)
Em Tom de Conversa (1991)
Do Outro Lado da Mancha (1996)
Inglaterra, Inglaterra (1998)
Amor, etc (2000)
Um Toque de Limão (2004)
Pulso (2011)
O Sentido de um Fim (2011)
Altos Voos e Quedas Livres (2013)

Aline T.K.M.
Criou o Livro Lab há 7 anos e blogar é uma das coisas que mais ama fazer, além do teatro, da dança e dos mais variados tipos de expressões artísticas. Tem paixão por viajar e conhecer outras culturas. Ah, e ama ler em francês!

 

Você também vai  

6 COMENTÁRIOS

  1. Ainda não conheço o trabalho dele, mas com essas razões que vc deu, fiquei com vontade de ler, rsrs.

    Bjos!
    http://seiqueeusei.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vale a pena conhecê-lo; adorei os dois livros que li dele e é um autor que com certeza está no meu top 10 de favoritos. =)

      Excluir
  2. Li dois livros dele (O sentido de um fim e Pulso), ambos que ganhei em sorteios aqui do blog e amei mesmo, tanto que as outras obras do autor são prioridades na minha lista de futuras aquisições. <3

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Hahaha é verdade! Eu também adoro os livros dele e mal posso esperar para ler este último que a Rocco lançou.

      Excluir
  3. Muito bom seu blog, estou seguindo. Vou linkar ao meu ;)

    ResponderExcluir

Siga @aline_tkm lá no Instagram!

Parceiros