Filme obrigatório, Invisível aborda juventude esquecida e toca em tema delicado | Livro Lab
Últimos vídeos    |  Se inscreva no canal
Livros recebidos em setembro  Resenha: O Grande Dia, de Blásquez Figueroa  Leituras de setembro
Leituras de abril

Filme obrigatório, Invisível aborda juventude esquecida e toca em tema delicado

Aborto 10 de novembro de 2017 Aline T.K.M. 4 COMENTÁRIOS

Obrigatório, filme de Pablo Giorgelli, Invisível, aborda juventude esquecida e toca em tema delicado

Do argentino Pablo Giorgelli – diretor do premiado Las Acacias –, Invisível chegou aos cinemas esta semana e é aquele tipo de filme que eu recomendaria geral, para todo mundo MESMO.

Ao trazer o dilema de uma adolescente que descobre uma gravidez indesejada, o longa mostra não apenas uma juventude, mas toda uma parcela da população, que se encontra imersa em abandono e sem muitas perspectivas para o futuro. Um filme sobre solidão, sobre falta de apoio, e que traz à tona um tema delicado: a ilegalidade do aborto.

Obrigatório, filme de Pablo Giorgelli, Invisível, aborda juventude esquecida e toca em tema delicado

Ely (Mora Arenillas) tem 17 anos, mora no bairro La Boca, em Buenos Aires, e, além de estudante, trabalha em um pet shop para complementar a renda familiar. Ela vive sozinha com a mãe, que está em condição fragilizada. Para complicar ainda mais a vida da garota, Ely engravida de Raúl (Diego Cremonesi), o dono do pet shop em que trabalha.

A descoberta da gravidez mexe muito com a jovem. Ter o bebê parece não ser uma opção a ser considerada; mas, mesmo neste dilema, não há ninguém ao seu lado, realmente disposto a apoiá-la – menos ainda o Estado. Completamente perdida, Ely se vê prestes a tomar uma decisão que mudará para sempre a sua vida.

Obrigatório, filme de Pablo Giorgelli, Invisível, aborda juventude esquecida e toca em tema delicado

Coprodução entre Brasil, Argentina, Uruguay e Alemanha, Invisível é um filme obrigatório primeira e principalmente por um motivo bem simples: faz pensar em coisas que não queremos e não gostamos de pensar.

Mais do que uma história fechadinha, com começo, meio e fim, o longa traz um recorte da vida de uma jovem extremamente solitária, para quem o futuro parece algo ainda muito distante. Sua vida se resume a suprir as necessidades básicas do presente – se alimentar, dormir, ter sexo esporádico. Uma adolescência tão desbotada quanto as cores na fotografia do filme. Sem sorrisos nem trilha sonora, uma adolescência um tanto silenciosa demais. E, principalmente, invisível – como a própria Ely e também sua mãe, com saúde frágil e que enfrenta problemas com o local de trabalho.

O tempo todo acompanhamos a história pela perspectiva da protagonista e, com isso, nos aproximamos dela e nos envolvemos em um nível maior com o extenso material de reflexão trazido pelo filme.

Com a descoberta da gravidez, a questão do aborto entra em cena como uma possível solução, mas também como mais um problema. Ainda um tabu, a prática permanece ilegal em muitos países, como o Brasil e a Argentina (onde se passa o filme), e essa situação afeta especialmente as mulheres – de todas as idades – das camadas menos favorecidas da população. Além disso, meninas e meninos de todas as classes sociais ainda contam com o agravante de passarem pela adolescência sem um programa eficiente de educação sexual, o que contribui para o crescimento dos índices de gravidez na juventude.

Obrigatório, filme de Pablo Giorgelli, Invisível, aborda juventude esquecida e toca em tema delicado

O dilema da protagonista é forte, uma vez que o aborto só se torna possível nas condições impostas por sua ilegalidade, o que significa se arriscar em clínicas clandestinas. Ou então a utilização de medicamentos sem qualquer orientação, também colocando a própria vida em risco e não garantindo a efetividade do aborto – a criança pode vir a nascer, e com graves sequelas. A outra opção seria ter o bebê, que viria num lar sem estrutura física e psicológica para recebê-lo.

Fica claro que todas as opções desfavorecem o lado de Ely, o lado da adolescente e da mulher. Ou seja, a questão vai muito além, uma vez que toca na liberdade e no poder de decisão da mulher sobre o próprio corpo. Poder que lhe é roubado por uma sociedade sexista e retrógrada, ao impedir que o aborto legal e seguro possa ser uma opção.

Obrigatório, filme de Pablo Giorgelli, Invisível, aborda juventude esquecida e toca em tema delicado

O desfecho do filme é, sem dúvida, um ponto particularmente interessante: a maneira como ele pode ser percebido pelo espectador é muito relativa. Os momentos finais e o rumo que a protagonista toma pode tanto suscitar uma espécie de alívio “torto”, quanto a entrega a um desespero sem saída.

No entanto, é unânime a percepção da transformação iminente na vida de Ely, acarretada pela falta de assistência de uma sociedade que insiste em manter invisíveis aqueles que mais precisam de seu apoio.

Obrigatório, filme de Pablo Giorgelli, Invisível, aborda juventude esquecida e toca em tema delicado

Ainda que o foco em Invisível esteja na solidão e na carência de meios com os quais lidar com a juventude e apoiá-la em seus mais diversos aspectos, é quase impossível não evocar o tema aborto e, mais ainda, finalizar este texto pensando nisso e na situação da mulher na sociedade.

Enquanto a prática do aborto é legal em praticamente toda a Europa, nos Estados Unidos e Canadá, e em parte da Ásia, nos resta refletir sobre a importância da questão e exigir uma legislação mais justa e democrática nesse sentido. Uma legislação que seja parte de todo um conjunto de condições que possam, finalmente, tirar a mulher de seu estado de invisibilidade.

TRAILER E FICHA TÉCNICA


Ely (Mora Arenillas) tem 17 anos e mora no bairro da Boca, em Buenos Aires. Ela cursa o último ano do ensino médio e trabalha num pet shop para completar a renda familiar. Ao descobrir que está grávida de Raúl (Diego Cremonesi), o dono do pet shop, seu mundo interno colapsa. Enquanto tenta manter sua rotina diária como se nada tivesse acontecido ela é tomada pelo medo e angústia. A sociedade que a pressiona e o estado de saúde frágil da sua mãe a isolam e a obrigam a amadurecer precocemente. Tomar a decisão que mudará sua vida para sempre lhe permitirá ter um novo começo.



Invisível (Invisible) – 90 min.
Argentina | Brasil | Uruguai | Alemanha | França – 2017
Direção: Pablo Giorgelli
Roteiro: Pablo Giorgelli
Elenco: Mora Arenillas, Mara Bestelli, Diego Cremonesi, Estrela Strauss, Andrés Schaffer, Michael Wahrmann, Fabiana Uría, Agustina Fernández

Estreia: 9 de novembro

Aline T.K.M.
Criou o Livro Lab há 7 anos e blogar é uma das coisas que mais ama fazer, além do teatro, da dança e dos mais variados tipos de expressões artísticas. Tem paixão por viajar e conhecer outras culturas. Ah, e ama ler em francês!

 

Você também vai  

4 COMENTÁRIOS

  1. Ainda não conhecia, já quero assistir. Obrigada pela dica :D

    http://submersa-em-palavras.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O filme é muito bom, vale a pena! =) Beijos!

      Excluir
  2. Oi, Aline! Esse é um dos filmes que eu provavelmente iria passar, se visse na lista, mas a tua resenha me encheu de vontade de assisti-lo. É muito importante levantarmos essas questões ainda tabus na sociedade, e fazer as pessoas pensarem nelas. Instigar aquela coceirinha incômoda das coisas sobre as quais nós não queremos falar. Obrigada pela indicação. Tuas resenhas são top! :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Gabi, que legal ver seu comentário aqui! <3 Esse filme realmente deixa um caminho aberto para a reflexão, e de um jeito bem cru, sem excessos. Com certeza acho que é tempo de as pessoas deixarem de lado certas convenções e crenças, e passarem a realmente pensar no que faz sentido para a sociedade e para as vidas que todos os dias são atingidas de alguma maneira. Eu que agradeço sua visita! ^^ Se você for ver o filme, depois me conta o que achou! Beijo!

      Excluir

Siga @aline_tkm lá no Instagram!

Parceiros