Contos – volume 3 [Ernest Hemingway] #resenha | Livro Lab
Últimos vídeos    |  Se inscreva no canal
Filme: Um Tio Quase Perfeito  Livros recebidos em abril  Resenha + Sorteio: Quer que eu desenhe? (vol.2)
Leituras de abril

Contos – volume 3 [Ernest Hemingway] #resenha

Bertrand Brasil 17 de dezembro de 2015 Aline T.K.M. Nenhum comentário


Gosto de adentrar a obra de um autor nunca lido através de contos e narrativas curtas. Se for um apanhado deles, de temas e épocas distintas, melhor ainda. Está explicado o motivo que me fez começar a ler Hemingway pelos contos, ao invés de ir logo de cara atrás de um exemplar usado de Paris é uma Festa, um dos livros mais conhecidos do autor e que há anos tenho a intenção de ler. (Agora, o motivo por ter iniciado pelo volume 3 não tem a ver com qualquer ritual, superstição ou algo que o valha; simplesmente ainda não tinha os dois primeiros volumes.)

Escritos entre 1934 e 1960, os 21 contos do livro – alguns deles, capítulos de romances inacabados – nos levam a cenários e situações diversas, como a de um pescador que por dinheiro aceita fazer a travessia ilícita de alguns chineses, tirando-os de Cuba; a difícil e dolorosa caçada a um elefante; a tensão no período de guerra... Aliás, a temática da guerra é muito presente em todo o livro mas, mais especificamente, a inquietude permanente que envolvia todo aquele momento. Vale lembrar que Hemingway viveu a Primeira e a Segunda Guerra Mundial, além da Guerra Civil Espanhola.

De forma crua e com uma franqueza que por vezes arrebata, as histórias deste volume trazem seres humanos que não se enquadram exatamente no ideal de integridade. Se possuem suas virtudes, também revelam vícios e desvios importantes. Corruptos, aproveitadores, preguiçosos, e muito capazes de matar se assim for preciso; a estranheza nem é tamanha ao nos darmos conta de que um elefante exala a humanidade que os homens caçadores parecem ter perdido há muito – como vemos em “Episódio africano”.

Em todos os contos, a frustração dos personagens, a decepção. As coisas nem sempre saem como se espera, deve-se lidar com o perigo, com a dúvida, com a morte sempre iminente – até mesmo, e principalmente, quando se é um jovem fugitivo, tentando sobreviver com a irmã pequena no meio da mata, em “Quando o mundo era novo”.

Para os receosos da leitura de clássicos, não há com o que se preocupar aqui. Titio Hemingway é acessível nas palavras, o texto é de uma fluidez quase inimaginável para a figura mítica que foi – e continua sendo – o seu autor.

Sou apenas uma estreante na obra de Hemingway, mas já fui conquistada. Contos – volume 3 me presenteou com uma coletânea de histórias carregadas de verdade, diretas e cheias de simplicidade. E me deu uma certeza: a de que lerei vários outros títulos desse autor da chamada “geração perdida”.

LEIA PORQUE...
É franco, é direto e é cru. Mas também é todo poesia, leveza, sentimento. E Hemingway é aquele clássico obrigatório - não dá para passar pela vida sem ter tido sequer um contato com sua obra.

DA EXPERIÊNCIA...
Hemingway, me aguarde: vou te ler muito ainda!

FEZ PENSAR EM...
...quando conheci The Ernest Hemingway Home & Museum, em Key West, Flórida. Falei dessa visita aqui.

QUANTO VALE?

Título: Contos – volume 3
Título original: The complete short stories of Ernest Hemingway
Autor(a): Ernest Hemingway
Tradução: José J. Veiga
Editora: Bertrand Brasil
Edição: 2015 (5ª)
Ano da obra: 1987 (contos escritos entre 1934 e 1960)
Páginas: 462
Onde comprar: Fnac | Extra

Aline T.K.M.
Criou o Livro Lab há 7 anos e blogar é uma das coisas que mais ama fazer, além do teatro, da dança e dos mais variados tipos de expressões artísticas. Tem paixão por viajar e conhecer outras culturas. Ah, e ama ler em francês!

 

Você também vai  

Nenhum comentário

Segue @aline_tkm lá no Instagram!

Parceiros