Olhe para mim [Jennifer Egan] | Livro Lab
Últimos vídeos    |  Se inscreva no canal
Filme: Um Tio Quase Perfeito  Livros recebidos em abril  Resenha + Sorteio: Quer que eu desenhe? (vol.2)
Leituras de abril

Olhe para mim [Jennifer Egan]

Intrínseca 27 de junho de 2014 Aline T.K.M. 6 COMENTÁRIOS


Jennifer Egan nos brinda novamente não com uma, mas diversas tramas que se misturam, dão voltas, se enrolam e desenrolam em uma busca comum a todas elas: a da identidade.

Começamos com Charlotte Swenson, que em primeira pessoa dá sua perspectiva dos fatos. Após um acidente de carro a caminho de Rockford, sua cidade natal, a então modelo tem seu rosto extremamente ferido. Com a reconstrução facial – e 80 parafusos de titânio – seu rosto não é mais o mesmo; ainda bonita, mas irreconhecível, Charlotte é quase uma estranha em uma Nova York hostil, um mundo onde ela já não encontra o mesmo prestígio.

Em seguida e através de um narrador onisciente, somos apresentados aos demais personagens. A também Charlotte, uma adolescente desiludida que começa uma relação com um homem mais velho, mantendo duas vidas paralelas; e seu irmão mais novo, recém-saído de um câncer. Moose, um acadêmico antissocial; Anthony, um detetive particular alcoólatra; e um sujeito misterioso que vive trocando de nome, endereço e sotaque, e que conspira contra a sociedade americana.

De maneira perversa, quase um aquário que recria o mundo em miniatura, Olhe para mim apresenta diferentes facetas do ser humano. Pessoas que guardam segredos – às vezes difíceis de carregar – e vivem múltiplas vidas. E que em uníssono gritam por socorro, mendigam olhares, imploram por compreensão.

Charlotte, a modelo, acaba por se aproximar de sua história pessoal, que até então renegava. O novo rosto é o anúncio de uma nova vida na qual é preciso encontrar seu lugar, um novo papel para desempenhar e novas soluções para alcançar velhos objetivos. Adentrar a sala espelhada da fama requer mais do que ela imagina.

Já Moose, encerrado em seus conhecimentos e dono de uma visão singular (e obsessiva) para a qual procura o herdeiro certo, caminha em direção à coletividade e ao futuro de uma humanidade há muito condenada. E Charlotte, a menina, até poderia ser a herdeira da visão de Moose – que é seu tio e passa a lhe dar aulas –, não fosse o fato de não estar inteiramente envolvida com isso. Carente de atenção e mergulhada em dilemas, a adolescente deixa a meninice colorida para trás enquanto se transforma em uma mulher de olhar suficientemente cinzento.

Jogando com a ideia do coletivo/individual e do público/privado, a trama caminha por vias tortas, levando os personagens rumo ao fundo do poço até que o desespero decida ditar as regras. Afinal, quanto de sua vida pertence mesmo a você? A necessidade de amor; o conhecimento que atinge a obsessão; a busca pela fama e reconhecimento; o ódio e a conspiração... Tudo isso é capaz de tomar as rédeas e nortear os rumos de um ser humano. E o que dizer da era do virtual, onde vidas são compartilhadas, assistidas e lidas como capítulos de uma interminável novela? No meio do caminho fica a identidade, esperando ser achada, embalsamada num véu quase utópico.

De repente, perde-se tudo. Abundam a solidão e as lacunas. É preciso encontrar-se a si mesmo – pela primeira vez – e saber o que fazer com aquilo que foi encontrado.

LEIA PORQUE...
Egan faz um bem-bolado inteligente abordando a superficialidade e as aparências, o sentimento, a identidade e questões mais profundas. Livro para pensar.

DA EXPERIÊNCIA...
Leitura excelente. Mas, ao contrário de muitas opiniões que vi por aí, não achei o livro melhor ou pior que A visita cruel do tempo; penso que ambos são ótimos, cada qual à sua maneira, e que não há muito lugar para comparações.

FEZ PENSAR EM...
Bubble Gum, da francesa Lolita Pille. Apesar de diferir no estilo da narrativa, este último também visita o mundinho do glamour e da fama – e o que há de podre nele.


Título: Olhe para mim
Título original: Look at me
Autor(a): Jennifer Egan
Tradução: Adalgisa Campos da Silva
Editora: Intrínseca
Edição: 2014
Ano da obra: 2001
Páginas: 432
Onde comprar: Submarino | Saraiva | Saraiva (eBook) | Livraria Cultura | Livraria Cultura (eBook) | Amazon (edição Kindle)

Aline T.K.M.
Criou o Livro Lab há 7 anos e blogar é uma das coisas que mais ama fazer, além do teatro, da dança e dos mais variados tipos de expressões artísticas. Tem paixão por viajar e conhecer outras culturas. Ah, e ama ler em francês!

 

Você também vai  

6 COMENTÁRIOS

  1. Oi Aline,
    Eu só li "O Torreão" da Jennifer Egan e fiquei admirada com a habilidade narrativa da autora. Desde lá quero ler todos os livros dela, mas ainda não surgiu oportunidade. Ainda não tinha lido resenhas de "Olhe Para Mim". Parece ser ótimo e exatamente o tipo de história que se eleva ao ser contada carregada como a da autora. Como ainda não li "A Visita Cruel do Tempo" não poderei fazer comparações, mas a expectativa está alta :)
    Beijos
    alemdacontracapa.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O Torreão é justamente o que não li ainda hehehe, mas imagino que deva ser ótimo, tal como os outros dois que li. A Visita Cruel do Tempo é meio que venerado blogosfera afora e eu recomendo muito. Beijo!

      Excluir
  2. Oi, td bom?

    Interessante sua sinopse, não conhecia o livro. Mas os "podres" do mundo purpurinado sempre dão ótimos temas para livros, todo esse apelo à imagem e ao físico...

    Beijos
    Arrastando as Alpargatas

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Esse tema sempre será atual, imagino eu. E sempre é fonte de reflexões interessantes, e "Olhe para mim" não deixa a desejar nesse aspecto. Beijo.

      Excluir
  3. Gostei da coisa de jogar com coletivo/individual e público/privado. Nunca li nada dela, mas já vi várias pessoas falando muito bem!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Se tiver chance, leia sim, os livros dela sempre conquistam um montão de admiradores e não é para menos. Acho legal que ela coloca situações e temas que rendem boas reflexões, mas o interessante é que ela não dá as reflexões "prontas", de bandeja; ela mostra a situação de maneira um tanto cruel e cabe ao leitor transformar toda aquela informação e extrair a crítica do livro. Beijo!

      Excluir

Segue @aline_tkm lá no Instagram!

Parceiros