De fora para fora #2: A Teoria do Desjejum | Livro Lab
Últimos vídeos    |  Se inscreva no canal
Filme: Um Tio Quase Perfeito  Livros recebidos em abril  Resenha + Sorteio: Quer que eu desenhe? (vol.2)
Leituras de abril

De fora para fora #2: A Teoria do Desjejum

Choque cultural 20 de maio de 2013 Aline T.K.M. 16 COMENTÁRIOS


O café da manhã revela muito sobre uma pessoa.
Acredito piamente na afirmação acima, já há tempos transformada em teoria dentro desta cabeça cheia de ideias às vezes amalucadas. Leite com corn flakes, iogurte desnatado com mix de grãos, café preto, pãozinho na chapa, leite com Ovomaltine, torrada mais queimadinha com cream cheese, torrada mais branquinha com geleia,... As combinações são inúmeras e as preferências podem ser bastante peculiares; até a ausência de café da manhã revela um bocado da rotina, e mesmo da personalidade, de quem quer que seja.

Quem acredita e pratica a Teoria do Desjejum pode não ceder à tentação de aplicá-la loucamente – e até de forma errônea – a partir do menor contato com uma cultura diferente. Na ocasião de um intercâmbio, por exemplo.

Seu estômago roncou. Ela precisava de um belo café da manhã irlandês.

Cecelia Ahern, P.S. Eu te amo

O tal do tradicional café da manhã irlandês de que a Holly tanto precisava na página cento e trinta e três de P.S. Eu te amo, é um "primo quase irmão" do café da manhã inglês: ovo frito, tomate grelhado, batatas, um tipo de chouriço de porco, bacon, cogumelos, feijão com molho adocicado, torradas e geleia. Tudo isso regado a suco, chá ou café. Agora sim, deu para entender um pouquinho da essência da Teoria do Desjejum?!

À primeira vista, pode parecer incomum – e aí grudo no eufemismo porque não é tão legal usar a palavra bizarro ou mesmo escatológico, ops... – um cidadão comer cogumelos e feijão adocicado logo cedo. Ou então, que esquisito aquele que finaliza as refeições comendo queijo, como se fosse uma pré-sobremesa. “Que foi? Só estou comentando...”

Primeiro o choque cultural alimentício, depois o estranhamento quanto à vestimenta, especulações quanto aos hábitos de higiene alheios, e até achar ruim a maneira aparentemente tão formal com que todos se tratam. Os comentários e pensamentos podem até ser inocentes, mas acabam atrapalhando um bocado todo o processo de recepção do novo, que deveria ser acolhido de peito e braços bem abertos.

A fase de estranhamento inicial sempre acontece e é necessária – embora muito difícil, dependendo da dimensão das diferenças. Só que, e grifem esta frase, deve ser seguida pelo “mergulho de cabeça do trampolim mais alto” nessa cultura diferente que passa a ser um pouco sua/minha/nossa a partir da sala de embarque. É a única forma de aproveitar a totalidade da experiência tão marcante que é um intercâmbio.

Mas voltemos à Teoria do Desjejum. Não deixe de fazer um novo coleguinha só porque o lanche dele é esquisito e nojento. Ainda acredito que o café da manhã (e as refeições, de modo geral) diz muito sobre uma pessoa; só que quando o assunto são as diferenças culturais, tudo é muito subjetivo. O hábito estranho do seu candidato a coleguinha – e que talvez nem seja um hábito, assim, daqueles que a gente faz todo dia – foi provavelmente ensinado a ele pelos pais, que aprenderam com os avós, que fazem como os bisavós, e por aí vai. “Então, quer dizer que talvez ele nem seja tão estranho assim???”

Dentro de seu país e cultura, ele provavelmente é tão comum quanto todo mundo, e mais, ele pode ser bem legal. Portanto, há uma alternativa bastante pertinente, e que me parece a mais correta, para a aplicação da Teoria do Desjejum: deve-se adotar a perspectiva de dentro do ambiente em que se está. Na prática, é como esquecer um pouco o próprio referencial para se inserir em outro modo de vida. Não julgue o bacon gorduroso do coleguinha usando como padrão a metade do mamão que você come pela manhã; você não vai descobrir nada sobre a personalidade dele nem irá tirar qualquer conclusão relevante disso – exceto que talvez seu coleguinha tenha alguma chance extra de estar com o colesterol acima dos níveis medianos.

O que eu quero dizer é: em vez de se restringir às comparações bestas entre os hábitos daqui e de lá, absorva a nova cultura e seja capaz de perceber as nuances e diferenças internas. Inclusive as alimentícias. Ter um paladar aventureiro é o primeiro passo para ser um completo aventureiro, ou para simplesmente conhecer outra cultura in loco.

Uns gostam de bacon com ovo e outros só comem aquela geleia de laranja azedinha por cima da torrada. Outros, ainda, deixam o café da manhã irlandês somente para os fins de semana ou ocasiões especiais. Alguns gostam de leite com cereal, outros preferem um croissant puro de manhã cedo. Interessante de notar e, principalmente, de experimentar.

Ainda assim, faço a seguinte ressalva: desconfie daqueles que não tomam café da manhã; a gente nunca sabe bem o que está fazendo quando tem o estômago vazio...


O que é "De fora para fora"? Saiba mais.

Aline T.K.M.
Criou o Livro Lab há 7 anos e blogar é uma das coisas que mais ama fazer, além do teatro, da dança e dos mais variados tipos de expressões artísticas. Tem paixão por viajar e conhecer outras culturas. Ah, e ama ler em francês!

 

Você também vai  

16 COMENTÁRIOS

  1. Café da manhã, minha refeição preferida...mas sem bacon e feijão por favor rsrsrs.
    Mas realmente o interessante nisso tudo é a cultura que se absorve com certeza.
    Ótimo post.

    Beijos
    Leituras da Paty

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Paty, com certeza concordo, o mais interessante (e realmente o que está por trás de toda essa ideia do desjejum hehe) é a cultura que a gente passa a enxergar e a absorver. Isso tudo faz uma grande diferença, esse contato com o novo!
      Um beijão!

      Excluir
  2. Acho que eu amaria o café da manhã americano, hambúrgueres, suco de laranja, tudo bem gorduroso hahahahah

    Aproveita e dá uma passadinha lá no blog! Tem postagem nova.. Tô seguindo aqui.
    Blog | Fanpage | NetworkedBlogs | Bloglovin

    ResponderExcluir
  3. "Estranhismos à parte" sou doida/viciada num bom café da manhã, mas por favor, só café preto (bem doce) e um pãozinho dom geleia, rsrs. Acho que é bem mais light que muitos por aí, hiuahiua.

    Um super beijo, Vanessa Meiser
    http://balaiodelivros.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  4. Oi Aline! Tudo bem?
    Gostei bastante do seu post e concordo, devemos sempre levar em consideração os hábitos alimentares de cada região e cultura. Por exemplo, não sei se meu estômago aguentaria um café da manhã inglês, muito forte né?? :x
    Você disse no comecinho que o café da manhã pode dizer muito sobre uma pessoa, ou a falta dele. Eu não tomo café da manhã, fiquei curiosa pra saber o que isso diria sobre minha personalidade, rs.

    Beijos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Hahahah ótimo Jeh! Eu amo café da manhã e não consigo sair de casa sem comer alguma coisinha, mas é verdade que pessoas que não comem nadinha de manhã me intrigam um pouco! Na verdade, essa brincadeira com quem não faz o desjejum surgiu na minha cabeça justamente porque várias vezes meu namorado sai de casa sem comer nadinha. Quando muito ele toma um copo de leite, mas se tem que sair correndo, ele sai sem comer mesmo. Já eu prefiro me planejar e levantar mais cedo p/ fazer a refeição da manhã hehehe. Bjinhos!!!

      Excluir
  5. Nunca pensei nesta teoria. Que fracasso! Estou me sentindo um chato. Sabe o que eu tomo? Café. E mais o que? Nada. Apenas café. Tu deves pensar que eu sou um chatão que tem preguiça de passar manteiga no pão... E bem, tens razão, mas chato não sou não (eu acho).

    Abraços!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Entendo seu lado por dois motivos: eu amo café preto; e tenho um lado "preguicinha" muito forte para algumas coisas! Mas não se preocupe, o café é um indicador positivo; pessoas que tomam café geralmente têm personalidade bastante interessante, não acha?!

      Bjos!!

      Excluir
  6. Temos que nos acostumar que nem todos soão como nos
    Mas isso é bom, cada cultura de um jeito diferente
    Mas nossa principal refeição é o almoço, algumas culturas tem o desjejum como principal refeição, por isso é tão reforçada e as outras não tem tanta importancia

    Beijos
    @pocketlibro
    http://pocketlibro.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ah sim, realmente, tem uns países (Holanda, por exemplo) em que o almoço é geralmente um sanduíche, algo mais simples, e o jantar é um pouco mais caprichado. Já em outros, o café da manhã é mesmo a principal refeição. O mais legal disso tudo é realmente vivenciar a cultura de cada lugar e ver como pode ser interessante adotarmos modos de vida diferentes do que conhecemos desde pequenos, e muitas vezes acontece de nos identificarmos até mais com esses outros modos de vida, do que com o que tínhamos por hábito antes!
      Bjinhos!

      Excluir
  7. Adorei o post, super criativo!
    Não sei se me daria bem com o café da manhã do tipo inglês não viu? Eu tenho refluxo, só em pensar em comer, por exemplo, feijão às 08:00 já me sinto mal rs
    Mas adoraria experimentar diversas culinárias e tradições.
    Eu confesso que não como muito de manhã.

    Bjs,
    Kel
    www.itcultura.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu adoro pequenas aventuras gastronômicas! Experimentar algo diferente, que nunca provei antes, me anima verdadeiramente. Eu também não sou fã de refeições pesadas, mas por experiência própria, um café da manhã inglês/irlandês bem de vez em quando é gostosinho demais!!! Bjoka!

      Excluir
  8. Sua postagem foi muito interessante Aline!!!!
    O café da manhã seja no Brasil, Irlanda, EUA é uma refeição importante.
    Te confesso que sempre quis saborear um café da manhã Americano ou Irlandês e descobrir o porque eles comem tanta coisa, pesada, digamos assim, logo cedo.
    Eu gosto de comer ovos mexidos de manhã, confesso que final de semana que tenho tempo, preparo eles, mas durante a semana meu café básico com leite, iogurte com granola e uma banana e ás vezes de lanche outra banana.
    Interessante os aspectos culturais dos países...Até num café da manhã.

    Beijinhos no coração.
    Helana.
    www.intheskyblog.blogspot.com.br
    @helana_ohara

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oie Helana! Também acho interessante e mesmo incrível como as diferenças culturais (às vezes grandes, às vezes pequenas) se revelam até mesmo em coisas triviais, como num café da manhã. E vou te falar, eu adoro experimentar comidinhas diferentes, sem nenhum preconceito, então imagina a festa que foi hehehe!
      Uma coisa que eu gosto demais é ir em buffet de café da manhã! Não vou sempre, mas eu me esbaldo quando vou, adoro! ^^
      Bjoka!!!

      Excluir
  9. Lembro que fui passar uma temporada nos EUA e toda refeição, almoço principalmente, eles estranhavam meu habito de tomar suco de laranja. Haha. Me deu boas lembranças seu post...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Hahaha, pois é, da mesma maneira que a gente estranha alguns hábitos, é muito curioso reparar nos hábitos nossos que causam estranhamento nos estrangeiros! Divertidíssimo! Isso do suco é engraçado, e me lembro da dificuldade (e impossibilidade, eu diria) de encontrar suco natural em Dublin; simplesmente não tinha! Tristeza...

      Excluir

Segue @aline_tkm lá no Instagram!

Parceiros