Resenha: As Armas Secretas, de Julio Cortázar | Livro Lab
Últimos vídeos    |  Se inscreva no canal
Fala Sério, Mãe! – Larissa Manoela e elenco falam sobre o filme  Leituras de outubro: 4 ótimos livros (ou quase!)  Resenha da HQ: A Diferença Invisível, de Julie Dachez e Mademoiselle Caroline
Leituras de abril

Resenha: As Armas Secretas, de Julio Cortázar

BestSeller 15 de março de 2013 Aline T.K.M. 12 COMENTÁRIOS

Resenha: As Armas Secretas, de Julio Cortázar

Segundo livro de contos do autor argentino, As Armas Secretas foi publicado originalmente em 1959 e traz duas das mais influentes narrativas de Cortázar: "O perseguidor" e "As babas do diabo". Esta última serviu de inspiração para o roteiro do filme Blow-up, de Antonioni. Ao todo, As Armas Secretas possui cinco contos que introduzem os conflitos e ambiguidades do homem moderno. A abordagem, aqui, passa pelo drama e pela ironia, mas sem deixar de lado o aspecto poético.

A ânsia de um primeiro contato com a obra de Cortázar foi o principal motivador da leitura de As Armas Secretas. Cada conto mostra, realmente, o porquê do escritor ser considerado um dos mais originais de seu tempo. A narrativa que foge do linear e a constante sensação de dúvida acompanhada de infinitas possibilidades fazem brilhar os olhos do leitor, cuja mente se enche rapidamente de inúmeros “será?” desde as primeiras linhas.

Os personagens são profundos e dariam suficiente trabalho a quem se propusesse a analisá-los. O alto teor imaginativo dos contos e suas multifacetas são cenários perfeitos para que esses seres caminhem entre fantasia e realidade, convidando-nos também a fazer essa caminhada através das inevitáveis especulações que surgem durante a leitura.

O conto "O perseguidor" é tido como a obra-prima de Cortázar no que diz respeito aos contos. Inspirado na vida do jazzista Charlie Parker (1920-1955), a narrativa passeia com olhar visceral através do fim do protagonista Johnny Carter – saxofonista genial que vive no limite desesperador da arte e da destruição pelo alcoolismo. O conto aborda a relação tensa entre o músico e seu amigo Bruno, um crítico de jazz que tenta entendê-lo enquanto o retrata em uma biografia. O conto é memorável e surpreende; entretanto, apesar de todo o destaque conferido a ele, particularmente não o considerei a grande “estrela” do livro.

Pequeno parêntese: em 2012 a Cosac Naify lançou uma edição especial do conto "O perseguidor", avulso, em capa dura e com ilustrações do quadrinista argentino José Muñoz.

Um homem com um interesse insistente em uma espécie de peixe (culminando em um desfecho incrível); meninas que brincam de se exibir como estátuas para os passageiros de um trem; um homem no hospital, delirando sobre o momento do próprio sacrifício em um tempo remoto... Enfim, em As Armas Secretas, cada um dos contos rende uma viagem particular a terras inexploradas.

LI EM FRANCÊS

Resenha: As Armas Secretas, de Julio Cortázar

Não foi uma leitura difícil, mas também não a chamaria de muito simples. É preciso dominar a gramática, e o uso do dicionário pode ser bastante necessário por causa do vocabulário. Entender pelo contexto é possível, mas não com tanta frequência (e acho que o gênero e a própria temática de alguns contos contribuem para isso). Leitura recomendadíssima, mas com um dicionário a tiracolo.

Edição lida: Les Armes Secrètes, de Julio Cortázar, Éditions Gallimard - Collection Folio (nº 448).

LEIA PORQUE

O mix real-surreal é o maior atrativo da leitura. Por mais esquisito que possa parecer, eis aí uma combinação que, quando bem estruturada, costuma dar certo (vide o também argentino Jorge Luis Borges, e o nosso querido García Márquez).

DA EXPERIÊNCIA

Desfechos que sugerem possibilidades (mesmo as mais “irreais”), vaivéns no tempo e personagens intrigantes. Ler As Armas Secretas é toda uma experiência, acreditem.

FEZ PENSAR

Até que ponto verdadeiramente enxergamos e conhecemos a realidade?


Capa do livro As Armas Secretas

Onde comprar: Amazon | Amazon (edição de bolso)

Título: As Armas Secretas
Título original: Las Armas Secretas
Autor(a): Julio Cortázar
Editora: Civilização Brasileira
Edição: 2010
Ano da obra: 1959
Páginas: 192

Aline T.K.M.
Criou o Livro Lab há 7 anos e blogar é uma das coisas que mais ama fazer, além do teatro, da dança e dos mais variados tipos de expressões artísticas. Tem paixão por viajar e conhecer outras culturas. Ah, e ama ler em francês!

 

Você também vai  

12 COMENTÁRIOS

  1. Adoro estas dicas super diferentes que você nos traz. Eu nunca tinha ouvido falar neste livro. Gosto muito de livros de contos e gostaria de ler este, mas não em francês né, hiuahiua.

    Beijokss

    Vanessa - Blog do Balaio
    http://balaiodelivros.blogspot.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vanessa, que legal que você gostou do post e curte as dicas do blog, fico feliz em saber, de coração! ^^
      Eu também adoro contos, apesar de muita gente não gostar. E Cortázar é um daqueles autores que há anos tenho tido vontade de ler. Foi uma surpresa me deparar com a escrita maravilhosa dele. Gosto de histórias surreais com um pé na realidade, e o autor faz isso de forma fascinante. Com certeza quero ler mais obras dele. Um beijão!

      Excluir
  2. Olá, Aline!
    Gostei da recomendação, nos últimos dois anos comecei a ouvir muito o nome do Cortázar e espero, em breve, ler algo dele, acho que começarei com As Armas Secretas.
    Ah, muito legal você ter essa sessão de livros que leu em francês, vou indicar para alguns colegas que estão estudando esse idioma lindo, lindo - mas que acho tão difícil - anotarem suas dicas de leituras ;)

    Beigos,
    Maura - Blog da /mauraparvatis.

    ResponderExcluir
  3. Oi flor,
    Fico encantada quando entro em blog que tem dicas de livros em outros idiomas acho super bacana.
    Beijos

    Mari - Stories And Advice


    ResponderExcluir
  4. Nem me atrevo a ler em francês, sei muito pouco, o que pode ser considerado um grande nada...
    Esses livros que me fazem parar e pensar tem me sido tão bons, mas eu prefiro equilibrar com histórias leve, caso não demoro a entrar dentro de uma nova trama.

    Beijos,
    Bibliotecando com a Cris

    ResponderExcluir
  5. Não gosto muito de livro de contos muito menos poéticos, hahaha

    Beijos.
    Páginas na Estante
    @alyneadriana

    ResponderExcluir
  6. Nunca li Cortazar :( Mas prometi a mim mesmo quitar esta dívida ainda este ano. Pretendo começar por 'Todos os fogos o fogo' ;)

    ResponderExcluir
  7. Vejo você falar de francês e percebo o quanto preciso voltar as minhas aulas.
    Estudei francês por 3 anos e parei :'( burra né?

    Minha tia tem esse livro de Cortázar, e como você disse o ponto forte é esse Mix de real-surreal dele é muito legal♥

    Beijinhos
    www.intheskyblog.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  8. O Cortázar é um dos melhores escritores que tive contato nos últimos anos.
    Quando eu lia "As Armas Secretas", eu ficava imaginando como alguém pode escrever com tanta maestria. Ler Cortázar foi uma experiência muito boa, já que até então nunca tinha lido nada dele. Também nunca havia lido contos tão "difíceis", mas que me causaram tantas ideias. O que eu acho legal nele é justamente isso, a complexidade distante do unilateral.

    Não achei "O Perseguidor" a "estrela" do livro também. Meus preferidos são "Cartas de mamãe” e “Os bons serviços”.

    Muito legal você ter lido em Francês. Queria ter experiências como essa. Mas estou longe de ler algo no idioma, rs.

    Beijos!
    Cooltural

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Júnior, sabe que desde que li esse livro tenho me prometido que lerei mais coisas do Cortázar. Gosto demais do gênero realismo fantástico. Ah, também curti Os bons serviços.
      Apesar de ter gostado muito do livro em francês, o próximo quero ler em português. Um beijo!

      Excluir
  9. Oi Aline,

    Cheguei a essa postagem por indicação do Jr (que escreve lá no blog), comentário acima.
    Então, eu conheci o Cortázar mais de perto através desse livro também. Me apaixonei, eu ficava mais impressionado a cada conto que eu lia.
    O realismo fantástico do autor é de encher os olhos, e a mente.
    É um livro que preciso reler, faz algum tempo que eu o li (e resenhei), mas muitos detalhes já se foram, quero recuperá-los.

    Parabéns pelo texto.
    Beijos
    ​​​​ ​​​​Cooltural

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Esse foi o único que li até agora do Cortázar, mas certamente lerei outros mais, gostei muito mesmo do escritor.
      Comigo acontece isso sempre: leio um livro e com o tempo os detalhes me escapam da memória, odeio isso, mas é meio que inevitável. Tem vários livros que estão na minha fila de releituras, mas até agora não consegui reler porque a fila de leitura é ainda maior hahaha...
      Um beijo!

      Excluir

Siga @aline_tkm lá no Instagram!

Parceiros