Filme ‘Uma Casa à Beira-Mar’: do diretor de ‘As Neves do Kilimanjaro’, longa fala sobre nostalgia e necessidade de transformação | Livro Lab
Últimos vídeos    |  Se inscreva no canal
Filme Mentes Sombrias: Vale a pena assistir?  Resenha: O Que Alice Esqueceu, de Liane Moriarty  Resenha: Sob Águas Escuras, de Robert Bryndza
Semana do Consumidor Amazon | Livros

Filme ‘Uma Casa à Beira-Mar’: do diretor de ‘As Neves do Kilimanjaro’, longa fala sobre nostalgia e necessidade de transformação

Cinema francês 14 de julho de 2018 Aline T.K.M. Nenhum comentário

Filme Uma Casa à Beira-Mar: novo longa do diretor de As Neves do Kilimanjaro traz nostalgia e transformação a partir da dor | Cinema | Robert Guédiguian

Uma Casa à Beira-Mar, dirigido por Robert Guédiguian, acaba de estrear nos cinemas trazendo sensibilidade e um olhar esperançoso em trama sobre dilemas familiares, passagem do tempo e transformações. Se eu tivesse de resumir o longa em apenas duas palavras, estas certamente seriam: “permitir” e “permitir-se”.

Do diretor de As Neves do Kilimanjaro (filme bárbaro, que recomendo a todo mundo) e do gracioso O Fio de Ariane, entre tantos outros, Uma Casa à Beira-Mar traz a história de três irmãos que se reúnem em um vilarejo pitoresco perto de Marselha para cuidar do pai gravemente doente.

Angèle (Ariane Ascaride), uma atriz que vive em Paris, Joseph (Jean-Pierre Darroussin), que namora uma garota bem mais jovem, e Armand (Gérard Meylan), o único que permaneceu no vilarejo, precisam encarar suas dores e fraquezas, e decidir o que farão dali em diante com o pequeno restaurante da família, bem como com os ideais construídos pelo pai naquele canto do paraíso.

Filme Uma Casa à Beira-Mar: novo longa do diretor de As Neves do Kilimanjaro traz nostalgia e transformação a partir da dor | Cinema | Robert Guédiguian

Guédiguian não é apressado nem traça linhas convencionais na introdução e no desenvolvimento da trama. Ele toma o tempo necessário para nos apresentar essa família, as questões carregadas por seus membros nos são reveladas aos poucos, prolongando-se e levando à dilatação do ritmo do longa.

Personagens secundários e tramas paralelas trazem tridimensionalidade à vida do lugar e às próprias questões centrais, além de povoar o cenário de sonho em que se passa o filme. Marselha é a cidade natal do diretor e é também o cenário de quase todos os seus filmes. Um lugar de céu muito azul, de belezas naturais e de contrastes sociais – a primeira cidade que conheci na França, que me encantou e me deixa até hoje uma vontade enorme de retornar.

Filme Uma Casa à Beira-Mar: novo longa do diretor de As Neves do Kilimanjaro traz nostalgia e transformação a partir da dor | Cinema | Robert Guédiguian

Sensível, Uma Casa à Beira-Mar vem carregado de nostalgia pungente e fala sobre um passado que, muitas vezes, nos recusamos a deixar para trás – mas que também não temos coragem de enfrentar. O tempo passa, mas as dores ficam.

A virada é sutil, mas segue num crescendo até a constatação: mudanças são sempre necessárias. Da dor, da deterioração e até da morte pode renascer a vida e é preciso deixar que isso aconteça. É preciso permitir que o passado vá embora e deixar as portas abertas para a renovação.

Filme Uma Casa à Beira-Mar: novo longa do diretor de As Neves do Kilimanjaro traz nostalgia e transformação a partir da dor | Cinema | Robert Guédiguian

Como ocorre na grande maioria de seus filmes, Guédiguian também reúne aqui o trio formado por Ariane Ascaride (sua esposa), Gérard Meylan e Jean-Pierre Darroussin – reunião que rende um dos momentos mais bonitos do filme, um flashback em que vemos os atores bem mais jovens, retrato de um daqueles instantes de felicidade plena que nos passam despercebidos, e de cuja preciosidade só nos damos conta quando há muito já se foram.

Filme Uma Casa à Beira-Mar: novo longa do diretor de As Neves do Kilimanjaro traz nostalgia e transformação a partir da dor | Cinema | Robert Guédiguian

Mais uma vez, Ariane Ascaride está muito bem no filme. As transformações ocorridas no interior de sua personagem resplandecem na figura da atriz, na expressão mais solar que traduz um bonito abrir de portas e janelas para uma nova fase da vida, enquanto a anterior é corajosamente encerrada.

O desfecho vem coroar a obra com um sopro de otimismo e a esperança de dias renovados. O passado não volta, e talvez a plenitude da felicidade de outrora esteja irremediavelmente desbotada. Compreendê-lo e seguir adiante, vivendo o momento presente e fechando velhas feridas, é o que faz com que a vida ainda valha a pena, apesar de tudo.

TRAILER E FICHA TÉCNICA




Uma Casa à Beira-Mar (La Villa) – 107 min.
França – 2017
Direção: Robert Guédiguian
Roteiro: Robert Guédiguian, Serge Valetti
Elenco: Ariane Ascaride, Jean-Pierre Darroussin, Gérard Meylan, Anaïs Demoustier, Robinson Stévenin, Jacques Boudet

Estreia: 12 de julho

Aline T.K.M.
Criou o Livro Lab há 8 anos e blogar é uma das coisas que mais ama fazer, além do teatro, da dança e dos mais variados tipos de expressões artísticas. Tem paixão por viajar e conhecer outras culturas. Ah, e ama ler em francês!

 

Você também vai  

Nenhum comentário

Siga @aline_tkm lá no Instagram!

Editoras Parceiras