Resenha: Neuromancer (Trilogia do Sprawl #1), de William Gibson | Livro Lab
Últimos vídeos    |  Se inscreva no canal
Resenha: Sagarana  Live: Após o Anoitecer  Resenha: Rinha de Galos
Semana do Consumidor Amazon | Livros

Resenha: Neuromancer (Trilogia do Sprawl #1), de William Gibson

Aleph 26 de dezembro de 2017 Aline T.K.M. 4 comentários

Resenha de Neuromancer, de William Gibson, o clássico da ficção científica que inspirou o filme Matrix

Não gostar de um livro já é, por si só, uma experiência frustrante. Agora, imagina não gostar de um livro que é referência em um gênero do qual você é fã, que foi um divisor de águas, superpremiado e ainda inspirou um filme épico como Matrix.

Estou falando de Neuromancer, um clássico da ficção científica escrito por William Gibson, que é considerado o pai do subgênero cyberpunk. O livro é o primeiro volume da Trilogia do Sprawl, seguido por Count Zero e Mona Lisa Overdrive.

Não curti o livro, não funcionou para mim e ainda me rendeu meio que uma ressaca literária, sabe. Mas, apesar de tudo isso, eu reconheço os grandes méritos da obra. Aí no vídeo, conto mais sobre a trama, sobre o que esse livro representa na ficção científica e, claro, por que eu simplesmente não consegui gostar de Neuromancer...

ASSISTA NO YOUTUBE | SE INSCREVA NO CANAL


Capa do livro Neuromancer

Onde comprar: Amazon

Título: Neuromancer
Título original: Neuromancer
Autor(a): William Gibson
Tradução: Fábio Fernandes
Editora: Aleph
Edição: 2016 (5ª edição)
Ano da obra: 1984
Páginas: 320

Aline T.K.M.
Criou o Livro Lab há 11 anos e se dedicar a este projeto é uma das coisas que mais ama fazer, além de estar em contato com os mais variados tipos de expressões artísticas. Tem paixão por cinema, viajar e conhecer outras culturas. Ah, e ama ler em francês!

 

Você também vai  

4 comentários

  1. Odeio livro com glossário. A ponto de ter abandonado Laranja Mecânica logo no começo. E olha que já assisti o filme várias vezes.
    Duas perguntas: vc lerá a trilogia? Guardará esse livro por causa da edição ser caprichada mesmo tendo odiado a história ou irá dar de "presente" para alguém ou colocá-lo para troca?

    Shadai

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olha, eu não ligo não, desde que ele seja realmente útil, coisa que eu não achei que foi em Neuromancer. Amo Laranja Mecânica e achei que ali sim o vocabulário esquisito fez sentido. Adoro o filme também!
      Então, não pretendo ler a trilogia... Sei lá, nunca digo nunca kkkk, mas pelo menos não nos próximos anos. O livro já tem destino de troca, já vou enviar para uma pessoa com quem costumo trocar livros de vez em quando. =) Bjs!

      Excluir
  2. Cara..
    Muito boa sua avaliação sobre o livro
    Quando eu li pela primeira vez, li de novo na sequência, pois acreditei que o autor tentou enriquecer a obra com muitos detalhes que dificultam a compreensão da trama.
    Porém pensando no ano de lançamento, no ambiente criado por Gibson, o livro traz uma imersão profunda em um universo totalmente improvável (ainda mais em 1984)
    Quando olhamos a capa imaginamos que o livro terá cenas alucinantes e psicodélicas como a capa, talvez tudo isso somado ao fato de ser um livro de referência faz com que haja tal frustração.

    Quando li tentei me imaginar sem ter assistido matrix e desconhecendo o referido universo, aí compreendi o motivo do título ser tão aclamado pela crítica, que nem sempre acompanha a opinião do público

    Mas gostei muito de sua resenha, parabéns pelo vídeo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Felix, antes de tudo, muito obrigada pelo comentário! Pois é, apesar de não ter realmente gostado do livro, entendo muito bem a importância dele para o gênero, pensando nisso mesmo que você disse, a época em que foi lançado, o universo criado e toda a visão do autor em relação à tecnologia. O que me frustrou, a bem da verdade, foi a ausência de profundidade em algumas reflexões que o livro sugere (coisa que já tinha encontrado em Philip K. Dick e adorei, e fui esperando algo meio que na mesma linha), talvez uma pegada existencial mais forte, sei lá. Essa resenha é de faz uns anos, talvez hoje eu faria ela de um jeito meio diferente, explicaria melhor os pontos que me desagradaram (sem me preocupar muito com spoilers), enfim. De todas as formas, valeu pelo comentário!

      Excluir

Parceiros