Especial O Filho Eterno: 5 motivos para ver o filme + entrevista com o roteirista | Livro Lab
Últimos vídeos    |  Se inscreva no canal
Resenha: Sopa de Lágrimas, de Gilbert Hernandez  3 hábitos musicais de hoje e da minha adolescência  My Little Pony – O Filme: 4 motivos para assistir
Leituras de abril

Especial O Filho Eterno: 5 motivos para ver o filme + entrevista com o roteirista

Adaptação de livro 30 de novembro de 2016 Aline T.K.M. Nenhum comentário

O Filho Eterno

Com estreia marcada para amanhã, 1º de dezembro, O Filho Eterno é daqueles filmes que prometem fazer a gente sair do cinema diferente. E eu confirmo: faz mesmo.

O longa de Paulo Machline, com produção de Rodrigo Teixeira, é uma adaptação do livro homônimo de Cristóvão Tezza e traz Marcos Veras em seu primeiro protagonista dramático. Débora Falabella vive sua esposa e o garoto Pedro Vinícius é o filho do casal.

O Filho Eterno - Marcos Veras e Débora Falabella

Acompanhamos a história de Roberto, um escritor ainda não publicado que acaba de ser pai e descobre, ainda no hospital, que seu filho é portador da síndrome de Down. A notícia o abala, engatilhando uma avalanche de conflitos e emoções que afetam sua vida profissional e seu casamento com Cláudia.

A princípio, Roberto rejeita o filho. O caminho para o estabelecimento de uma relação de amor com a criança é longo e tortuoso. Durante doze anos, acompanhamos a trajetória de Roberto rumo à descoberta do real significado do que é ser pai.

O Filho Eterno - Marcos Veras e Pedro Vinícius

Filme bonito sem cair no melodrama piegas. Faz pensar, sentir e confrontar sentimentos conflitantes quando o assunto é a chegada de um filho. Também tem seus momentos pesados, como quando Roberto fica aliviado ao ler que, aparentemente, as crianças com Down morrem cedo – ele chega a desejar a morte do filho recém-nascido.

Recomendo para todo mundo, de verdade. Muito aprendizado, amor e lencinhos! Acompanhem a seguir 5 motivos para conferir O Filho Eterno no cinema. E ainda tem, lá no final do post, uma entrevista com o roteirista Leonardo Levis, com quem tive o prazer de conversar no dia da coletiva de imprensa do filme.

LIVRO E PEÇA DE TEATRO

O Filho Eterno - Marcos Veras

O Filho Eterno é baseado no aclamado livro homônimo de Cristóvão Tezza. Publicada em 2007, a obra tem tintas autobiográficas ao transformar em literatura as dificuldades e o desabafo de um pai que descobre que seu filho tem síndrome de Down, o que o próprio autor classificou como um trauma em sua vida – seu filho, Felipe, nasceu com síndrome de Down, em 1980.

Ao contrário do que muitos podem imaginar, o livro não é repleto de sentimentalismo, chegando a ser cruel e pesado tamanha a honestidade e frustração do protagonista. Foi lançado em mais de dez países e ganhou diversos prêmios, entre eles o Jabuti na categoria Melhor Romance, o Portugal-Telecom e o Prêmio São Paulo de Literatura, todos em 2008. O livro está na minha wishlist, mas confesso que não aguentei e li umas tantas páginas na internet, o que me deixou ainda mais ansiosa para tê-lo logo em mãos!

Outra coisa bem legal é que O Filho Eterno também foi adaptado para o teatro na forma de um monólogo, em 2011, e rendeu a Charles Fricks o Prêmio Shell de Teatro na categoria Melhor Ator.

Já o filme tem o mérito de também não tropeçar no sentimentalismo, sendo honesto e, ao mesmo tempo, delicado.

NÃO É APENAS UM FILME SOBRE SÍNDROME DE DOWN

O Filho Eterno - Marcos Veras e Pedro Vinícius

O Filho Eterno abrange temas universais e dialoga com o espectador ao falar sobre paternidade e as mudanças que a chegada de um filho traz na vida de pais de primeira viagem.

O interessante é que aqui vemos tudo pela perspectiva do pai; se a mãe tem uma relação de afeto com a criança desde a gravidez, para o pai essa criança passa a existir realmente a partir do momento que ela nasce. É aí que o pai aprende a amar a criança que acabou de chegar, e essa relação entre pai e filho vai sendo construída. Tudo isso em meio às mudanças na vida de casal, na rotina e mesmo na economia da casa – ainda que haja muito amor envolvido, essas mudanças não são nada fáceis e requerem uma adaptação forçada e urgente.

No filme, as mudanças ganham um fator inesperado, a síndrome de Down, tornando-as mais dificultosas, uma vez que na época as informações não eram tão acessíveis e o preconceito ainda era muito maior.

O Filho Eterno é, acima de tudo, um filme sobre amor, amadurecimento, sobre ser pai e, no meio disso tudo, também aborda a síndrome de Down.

O TEMPO EXERCE UM IMPORTANTE PAPEL

O Filho Eterno - Marcos Veras e Pedro Vinícius

Elemento crucial, o tempo aparece sob formas bastante únicas no filme. Por um lado, temos o pai do protagonista, um relojoeiro que vive cercado de ponteiros, tique-taques e mecanismos de tamanhos variados – o relógio é a materialização do tempo, a forma mais racional de constatarmos sua passagem.

Do outro lado temos a criança, cuja noção de tempo é diferente da do adulto. Para a criança com Down, essa noção de tempo infantil é intensificada – o presente parece ser eterno, enquanto que o passado e o futuro são mais abstratos e difíceis de serem compreendidos.

No meio das duas gerações vemos um pai em conflito, entre sua própria racionalidade e a alma de escritor, entre a criança que ele quer a todo custo “consertar” e o filho que ele aos poucos aprende a amar. Em paralelo, a condição da síndrome de Down é eterna e imutável.

Mas o que é mais genial quando a gente fala em tempo aqui, é que a cronologia no filme foi traçada a partir das Copas do Mundo, recurso que deu um brilho especial à história. Roberto vira pai no dia em que o Brasil perde para a Itália na semifinal da Copa de 82. Seu mundo desaba ao receber a notícia de que seu filho é portador de síndrome de Down e ele mesmo deixa de assistir a jogos de futebol.

Um longo caminho é percorrido, pontuado por momentos importantes em cada Mundial, até o desfecho em 94, quando a seleção é tetracampeã e pai e filho curtem juntos a vitória – a do futebol e a do amor na relação deles. O tempo, afinal, se faz necessário para a maturação e compreensão das coisas.

MAIS INFORMAÇÃO E MENOS PRECONCEITO

O Filho Eterno - Débora Falabella e Pedro Vinícius

O filme se passa na década de 80 e início dos anos 90. Quem viveu nessa época certamente lembra de termos como “mongolismo” e “mongol”, uma forma pejorativa de se referir à síndrome de Down e seus portadores.

Fui criança nessa época e, quando tinha uns 9 anos, lembro de uma menininha com Down que estava no maternal na minha escola. Lembro bem disso porque uma das coisas que eu mais gostava de fazer no recreio era ir à sala do maternal e ficar “cuidando” das crianças menores – a escola era superpequena e a gente podia fazer isso! E lembro também do preconceito e uma certa crueldade das crianças maiores, da minha turma, com relação a essa menina apenas porque ela era “diferente”. Foi nessa época que ouvi pela primeira vez, da boca de uma amiguinha, a palavra “mongol”. Nunca me esqueço disso, a falta de informação e o preconceito dos adultos refletidos ali, na palavra dita pela minha colega de turma.

Felizmente, hoje em dia o acesso à informação é infinitamente maior e o preconceito diminuiu bastante. Claro que ainda há um longo caminho pela frente, ainda existe muito preconceito e intolerância contra todo tipo de diferenças, mas a gente precisa fazer nossa parte e acreditar que as coisas evoluirão.

O PODER DE TRANSFORMAR AS PESSOAS


O diretor, o produtor e também o elenco revelaram ter aprendido muito durante todo o período de filmagens, não apenas como profissionais, mas sobretudo como seres humanos.

Para Paulo Machline, diretor do longa, esse projeto foi um desafio por nunca antes ter convivido com a síndrome de Down. Ele revela ter passado por uma transformação durante toda a concepção do filme. “Eu sou um pai melhor, um amigo melhor”, nas palavras de Machline, e ele espera que as pessoas também passem por uma transformação assim, que entrem no cinema de uma forma e saiam de outra.

Marcos Veras e Débora Falabella concordam que a experiência foi transformadora para toda a equipe envolvida no filme, e que a espontaneidade e doçura do garoto Pedro Vinícius – que vive Fabrício na trama – deram frescor ao filme.

Não é para menos! Tive a oportunidade de ouvir essas palavras na coletiva de imprensa de O Filho Eterno, na qual também esteve presente Pedro Vinícius e... gente, esse garoto é muito fofo! Ah, e sim, o filme realmente mexe e dá uma bela cutucada aqui dentro; no final, a gente sai diferente mesmo.

BÔNUS: ENTREVISTA COM LEONARDO LEVIS, RESPONSÁVEL PELO ROTEIRO DO FILME

No dia da coletiva, tive a chance de conversar com Leonardo Levis, o roteirista de O Filho Eterno. Falamos sobre os desafios que envolveram a adaptação da obra de Tezza, entre outras coisas. Fiquei muito feliz com esse bate-papo e espero que vocês gostem!

O Filho Eterno

1. Como aconteceu o processo de adaptação, a transformação da obra de Cristóvão Tezza em um filme?

Quando o produtor Rodrigo [Teixeira] me chamou, existia uma vontade dele de realizar um filme que tentasse alcançar as pessoas e trabalhasse na chave da emoção. Ele sempre falou que via um potencial de filme ali e eu achei isso muito corajoso por não ser uma transposição natural, já que não é um livro fácil. Apesar de ter emoção, não é um livro “feel good”, está muito mais na chave da reflexão do que na da ação. O livro é muito sincero, não tem medo de pegar um tema que é tabu e, a partir disso, trazer um ser humano que age de uma maneira que não deveria, socialmente falando.

Meu trabalho na adaptação foi o de procurar as chaves que estavam ali, sendo fiel ao livro e, ao mesmo tempo, conseguir entendê-lo e transformá-lo em uma grande narrativa na linguagem do cinema e na chave da emoção, humanizando aquelas pessoas e transformando a narrativa do livro em uma história. Muito da adaptação se deu nesse sentido, contando também com a colaboração do Murilo Hauser, que entrou mais no fim do processo.

Mas eu diria que o primeiro passo é mesmo a imersão, é conseguir se apropriar do livro para contar uma história sua, em alguma medida, a partir daquilo que você leu. A partir do momento em que se tem um argumento, o processo passa a ser cada vez mais compartilhado.

2. Você já conhecia o livro antes? Qual foi sua maior dificuldade quanto à adaptação do livro?

Eu já tinha lido o livro antes, muito bom, mas também muito pesado. Ser chamado para adaptá-lo foi uma surpresa boa e um pouco amedrontadora também, já que, a princípio, não é um livro fácil de ser adaptado.

A maior dificuldade eu diria que foi um pouco a de transformar um livro de reflexão em um filme narrativo. Acompanhamos o filme pelos olhos do protagonista, mas eu me propus o desafio de fazer o roteiro sem voz em off, até porque o livro é repleto dessas reflexões e achei que a melhor forma de me distanciar um pouco disso era não ter as locuções, mas depois elas acabaram voltando e ficou bem legal, mas originalmente não havia.

Também foi um desafio construir a linha narrativa e os outros personagens e situações que se fundavam no protagonista, sem perder o que o livro tem como essência e força. Depois, claro, vem o desafio normal de ir sempre melhorando o trabalho, ouvindo as sugestões.

3. E qual foi o aspecto mais prazeroso desse processo de adaptação?

A grande dificuldade e o aspecto prazeroso não são necessariamente antagônicos, mas fazem parte do mesmo processo. Essa transformação [do livro em filme] foi difícil, mas ao mesmo tempo, encontrar soluções foi prazeroso. Por exemplo, fiquei feliz quando consegui entender na minha cabeça uma linha narrativa cronológica, quando coloquei o futebol como uma lógica para entender os tempos em que a história se passa.

Num sentido mais humano, O Filho Eterno é um livro que diz muito sobre paternidade e amadurecimento, amadurecer no sentido de você entender que o mundo não é a sua própria ideia de mundo, que é preciso entender o mundo do outro. O livro é sobre um cara que é uma espécie de grande racionalista e iluminista, que tem um filho que não pode seguir os ideais racionalistas e iluministas dele, e ele precisa se comunicar e entender esse filho, e não querer impor a ele o seu padrão de mundo.

Há uma ideia muito forte sobre alteridade e necessidade de alteridade, e acho que o livro me bateu nesse lugar, nessa dificuldade de diálogo com o outro, na dificuldade de entender que o mundo não funciona de acordo com nossas expectativas. E eu tentei, em alguma medida, escrever um filme que lidasse com esses mesmos anseios e frustrações. O fato de escrever uma história que te faz estar em contato com seus próprios anseios, e tendo um livro que trabalha isso de forma tão forte, é algo muito bacana de se fazer. Para que a história seja verdadeira para o outro e, antes do outro, para você mesmo, é preciso achar nela algum ponto de contato consigo mesmo, senão é só um exercício técnico.

4. Você teve algum contato com a adaptação teatral do livro, escrita por Bruno Lara Resende, por exemplo, utilizando-a como mais uma ferramenta de inspiração para o roteiro do filme?

Eu não vi a peça quando comecei a escrever o roteiro, mas durante o processo houve uma exibição dela aqui em São Paulo e eu pude vê-la, achei muito boa. Só que a peça tem uma grande diferença em relação ao filme: por ser um monólogo, é muito mais próxima do livro, o texto continua sendo a base. Eles fizeram muito bem essa transposição. Para o cinema, a adaptação precisa ser muito mais radical em relação à obra original.

Então eu tive contato, achei muito legal ver a peça, mas sinto que a obra cinematográfica é algo muito distante do que é a obra teatral. Neste caso específico, a peça não foi uma fonte de inspiração, mas foi interessante perceber onde ela via as forças do livro e como transformava as questões em emoção, e entender onde eu também estava vendo – ou não vendo – as forças do livro a partir disso. Foi esse o maior sentido de contato e inspiração que eu tive com a peça.

5. Como foi a construção da personagem da mãe, que no livro não tem destaque?

A criação da personagem da mãe, por praticamente não existir no livro – é apenas citada –, foi um dos desafios. Não apenas construir essa personagem, mas também entender o tamanho dela no filme. No início do processo, a personagem ainda estava muito frágil, servindo apenas de amparo para o pai; depois, entre o primeiro e o segundo tratamentos do texto, fomos entender o personagem da mãe, houve entrevistas com mães de garotos com síndrome de Down, e eu aumentei a personagem.

Foi nesse sentido que criei o monólogo da mãe, uma cena de que gosto bastante. Como o filme tem a perspectiva do pai, achei importante ter uma cena que mostrasse que existe toda uma história com aquela mãe, que poderia até existir um filme sobre ela que a gente não está acompanhando.

Por um lado, tentei construir a personagem com base na ideia daquela pessoa que está sempre do lado do filho. Mas, por outro lado, existe uma série de mistérios e questões dela que a gente não acompanha profundamente – exceto naquela cena específica – porque a gente está do lado do pai, vendo tudo com o olhar dele. E acho que a Débora [Falabella] fez superbem essa mãe. Ela conseguiu transmitir uma série de nuances que não necessariamente estavam no roteiro que eu havia escrito, e foi ótimo.


6. O autor Cristóvão Tezza não quis participar ativamente da adaptação, pois a ideia era dar liberdade para a criação da versão cinematográfica do livro. Pessoalmente, você acha que esse “distanciamento” do autor é bom, que facilita o trabalho de adaptação ou, ao contrário, você acha que a pressão é maior?

Quando fui chamado para realizar a adaptação já me foi comunicado que eu teria total liberdade e que o Tezza, a princípio, não tinha interesse em se envolver com o trabalho de adaptação, pois ele consegue separar muito bem e entende que o livro é o livro e que o trabalho de adaptação não pertence a ele. Claro, creio que se eu precisasse ele seria acessível, mas quando o processo foi caminhando já havia uma série de colaboradores, uma série de pessoas que estavam trocando e compartilhando informações sobre o processo, por isso não tive necessidade de voltar ao autor, e senti que tudo correu bem.

Acho que o envolvimento do autor diretamente no início da adaptação é problemático porque você, a princípio, fica preso à ideia dele e é importante ter uma liberdade. Mas também não sou contra voltar ao autor para dialogar, depois de um tratamento escrito e de um certo tempo de trabalho. Mas acho que no início do processo é importante você encontrar o seu filme ali, o meu filme e o de muita gente, pois sou uma pequena parte do processo.

Disseram que ele visitou bastante o set; não cheguei a conhecê-lo pessoalmente, mas pelo que me foi relatado, ele parece ser um autor que não tem esse tipo de amarras, que deixa a história ir. O livro dele será sempre o livro dele, no fim.

TRAILER E SINOPSE


Roberto, escritor ainda não publicado, está seguro de que o nascimento do filho é o marco para uma nova vida. No entanto, ainda no hospital, ele descobre que terá de se acostumar com uma nova ideia – ser pai de Fabrício, uma criança com síndrome de Down. A notícia provoca em Roberto uma enxurrada de emoções contraditórias e conflitos que acabam afetando sua relação com o trabalho e seu casamento. Ao longo dos anos, entre obstáculos, conquistas e descobertas, se revela o significado da paternidade. Baseado na obra de Cristovão Tezza.

O Filho Eterno – 82 min.
Brasil – 2016
Direção: Paulo Machline
Roteiro: Leonardo Levis, com colaboração de Murilo Hauser
Elenco: Marcos Veras, Débora Falabella, Pedro Vinícius, Uyara Torrente, Zeca Cenovicz, Augusto Madeira

Estreia: 1 de dezembro

Aline T.K.M.
Criou o Livro Lab há 7 anos e blogar é uma das coisas que mais ama fazer, além do teatro, da dança e dos mais variados tipos de expressões artísticas. Tem paixão por viajar e conhecer outras culturas. Ah, e ama ler em francês!

 

Você também vai  

Nenhum comentário

Siga @aline_tkm lá no Instagram!

Parceiros