3 motivos para ver “A Vida Privada dos Hipopótamos” | Livro Lab
Últimos vídeos    |  Se inscreva no canal
Resenha: Civilizações – A Fonte: dois mundos, uma jornada, de Wallace Horta  Making of O Reino Gelado – Fogo e Gelo: com Larissa Manoela, João Guilherme, João Côrtes e Lipe Volpato  O Reino Gelado – Fogo e Gelo: pré-estreia com Larissa Manoela, João Guilherme, João Côrtes e Lipe Volpato | 3 motivos para ver o filme
Leituras de abril

3 motivos para ver “A Vida Privada dos Hipopótamos”

3 motivos para ver 18 de maio de 2015 Aline T.K.M. Nenhum comentário


No início do mês compareci à pré-estreia de um filme nacional sobre o qual já andava curiosa: A Vida Privada dos Hipopótamos. Fui surpreendida, pois o documentário me prendeu do início ao fim. Sem comprovar a veracidade dos fatos e situações, o filme permanece numa posição de ambiguidade tão intrigante quanto a própria história que nos é contada. Isso sem falar do título inusitado, o que foi para mim um atrativo e tanto – a primeira razão pela qual quis assistir ao filme logo no momento em que soube de sua existência.

Christopher Kirk é um estrangeiro que cumpre pena no Brasil. Em uma viagem à Colômbia conheceu uma misteriosa mulher – aqui chamada de V. – com quem se relacionou e passou por situações um tanto esquisitas. Depois de um tempo, Chris foi descobrindo coisas que não sabia a respeito da namorada, enquanto ele próprio parece não ser exatamente aquilo que ao espectador é mostrado na tela...

Documentário "meio ficção", o filme é mesmo uma daquelas peças raras. Vale a pena ver; ainda, ressalto que o negócio aqui é viajar nas questões e mistérios que vão surgindo, refletir a respeito, e não perseguir uma verdade propriamente dita.

Para animá-los e contar um pouquinho mais a respeito de A Vida Privada dos Hipopótamos, aqui vão 3 motivos para ver o filme:

1. O filme já nasceu de um jeito curioso: inicialmente, o projeto dos diretores Maíra Bühler e Matias Mariani consistia em um documentário acerca dos presos estrangeiros no Brasil. Mas aí, entre os presos, se depararam com Chris Kirk. Dizendo que precisaria de pelo menos algumas horas para contar sua história, o americano chamou a atenção dos diretores, que perceberam que sua trajetória poderia render um filme.

2. Um ponto interessante é que a história de Chris não é validada e gera desconfiança durante todo o filme, ganhando ares mesmo de ficção. Repleto de metáforas, o documentário não trata de julgar a veracidade dos fatos, mas de nos mostrar essa história que, de tão bizarra e cheia de esquisitices, parece se tratar de uma grande invenção – imagens do Pinóquio da Disney inseridas em alguns momentos sugerem o teor imaginativo do relato.

Como fonte, apenas o relato em primeira pessoa de Christopher Kirk; contudo ele liberou os arquivos de seu HD e foi a partir deste material que foi criada uma narrativa, uma trama. Fotos, mensagens, vídeos e e-mails são mostrados ao espectador, ajudando a traçar uma história ambígua e situada em algum lugar entre a realidade e a ficção. Mantendo e intensificando o mistério, o rosto da misteriosa V. não nos é revelado em momento algum, fazendo da personagem um ser quase etéreo. Também intrigante, o motivo da prisão de Chris no Brasil só é contado na parte final do filme.

3. Para além da história desse cara embromador que Chris deixa entrever, vemos uma narrativa sobre a obsessão – por aventuras, pelo exótico, por uma mulher. Sobre mentiras, omissão, desconfiança e, acima de tudo, sobre a impossibilidade de saber o que é ou não verdadeiro a respeito de uma pessoa, não importa há quanto tempo a conheçamos.



TRAILER E SINOPSE

SINOPSE: Entediado com a vida nos subúrbios norte-americanos, Christopher Kirk – um jovem técnico de informática – decide ir à Colômbia. Lá, conhece e se apaixona loucamente pela misteriosa e exótica V., filha de um japonês e uma colombiana. Os dois iniciam um relacionamento, com ele visitando a Colômbia e ela visitando os Estados Unidos. No entanto, ele parece lidar com uma pessoa repleta de contradições e lacunas. Christopher Kirk foi preso no Brasil em 2009 e é ele mesmo quem relata sua história.
A Vida Privada dos Hipopótamos, de Maíra Bühler e Matias Mariani, Brasil, 2015.


A Vida Privada dos Hipopótamos está atualmente em cartaz em diversas cidades do Brasil. Vocês podem conferir a programação no site da Vitrine Filmes.

Aline T.K.M.
Criou o Livro Lab há 7 anos e blogar é uma das coisas que mais ama fazer, além do teatro, da dança e dos mais variados tipos de expressões artísticas. Tem paixão por viajar e conhecer outras culturas. Ah, e ama ler em francês!

 

Você também vai  

Nenhum comentário

Siga @aline_tkm lá no Instagram!

Parceiros