Cyrano de Bergerac [Edmond Rostand] | Livro Lab
Últimos vídeos    |  Se inscreva no canal
Resenha: Sopa de Lágrimas, de Gilbert Hernandez  3 hábitos musicais de hoje e da minha adolescência  My Little Pony – O Filme: 4 motivos para assistir
Leituras de abril

Cyrano de Bergerac [Edmond Rostand]

À la française 4 de junho de 2014 Aline T.K.M. 2 COMENTÁRIOS

Capas para Cyrano de Bergerac – das editoras José Olympio e Martin Claret, respectivamente

Escrito e montado pela primeira vez em 1897, este clássico do teatro francês foi baseado na vida do escritor Hector Savinien de Cyrano de Bergerac. Até os dias atuais a peça continua a ser encenada no mundo todo.

Paixão proibida, cartas e declarações de amor, guerra, triângulo amoroso. Todos esses elementos estão presentes na peça, cuja ação se passa em pleno século XVII – dois séculos antes de sua concepção. O diferencial fica por conta do protagonista: grande em feiura, Cyrano é maior ainda em generosidade, coragem (e petulância) e romantismo. E ainda é poeta. Seu invólucro horrendo – o imenso nariz é a marca do personagem – o impede de confessar seu amor pela bela Roxane, sua prima.

Ao tomar conhecimento de que o jovem Christian – bonito, porém sem habilidade com as palavras – também ama Roxane, Cyrano propõe unir-se a ele na conquista da mulher amada. Christian com a beleza; Cyrano com as belas palavras de amor.

A união tem êxito, Roxane acaba se apaixonando por Christian, tanto por sua beleza como também por seus cortejos e declarações de amor – que ela ignora pertencerem a Cyrano. Mas a guerra (dos Trinta Anos, entre França e Espanha) irá interferir no triângulo amoroso e trará consequências.

Escrita em rima e composta por cinco atos, a peça traz, além da história de amor, um tema bastante em alta nos dias atuais (poderíamos considerá-lo até mesmo atemporal), que é o conceito do belo e a influência da aparência na autoestima de uma pessoa.

Cyrano é feio, ponto. E apesar de sua grandeza de caráter, ele permite que sua falta de beleza interfira em seus atos. Ele não suporta estar diante da própria imagem no espelho e, se é corajoso no que se refere a batalhas e provocações (Cyrano é o símbolo do panache), nem sequer considera a possibilidade de declarar seu amor, pois a certeza da rejeição o assombra.

Às vezes maçante (por conta das rimas), a leitura se arrasta no início. Lá pela metade do livro, quando realmente as coisas começam a acontecer – a união de Cyrano e Christian, a guerra –, a trama envolve e ganha interesse genuíno.

O que mais marca, entretanto, são os personagens. Cada um deles é único e dotado da força e personalidade que apreciaríamos ver em toda trama que nos cai nas mãos. Apesar da previsibilidade da tragédia, o desfecho não deixa de surpreender e de fazer com que fechemos o livro admirando ainda mais o protagonista – e desejando, no íntimo, escrever uma nova trajetória para ele.

É um clássico velho? Decerto. Mas nem um pouco démodé. Seu brilho e essência continuam atuais e não é à toa que ainda é encenado com frequência mundo afora.

LI EM FRANCÊS


Leitura difícil devido ao conjunto rimas + vocabulário antigo.
Indicado para os falantes mais avançados (e com um dicionário sempre à mão).

Edição lida: Cyrano de Bergerac, de Edmond Rostand, Pocket Classiques.

Onde comprar em francês: Livraria Cultura | Livraria Cultura (e-book) | Amazon (edição Kindle)
LEIA PORQUE...
Clássico francês com mensagem que continua bastante atual. Dica: assistam também à adaptação homônima de 1990, dirigida por Jean-Paul Rappeneau e com Gérard Depardieu – magistral – no papel de Cyrano. Legal para quem curte filme de época.


DA EXPERIÊNCIA...
A leitura custou para começar a fluir – quem me conhece sabe que não sou lá grande fã do gênero teatral; prefiro assistir a ler as peças –, mas a trama é envolvente e, uma vez que a coisa engatou, não consegui sossegar até terminar o livro.

FEZ PENSAR EM...
Outras peças que li sem esperar grande coisa e que acabaram por me surpreender, como Escola de Mulheres (de Molière) e A Importância de ser Prudente (de Oscar Wilde). E, mudando da água para o vinho, lembrei que ainda morro de vontade de ler as peças de Nelson Rodrigues...


EDIÇÃO JOSÉ OLYMPIO
Título/Título original: Cyrano de Bergerac
Autor(a): Edmond Rostand
Tradução: Ferreira Gullar
Editora: José Olympio (Record)
Edição: 2011
Ano da obra: 1897
Páginas: 264

EDIÇÃO MARTIN CLARET
Título/Título original: Cyrano de Bergerac
Autor(a): Edmond Rostand
Tradução: Regina C. de Oliveira
Editora: Martin Claret
Edição: 2009
Ano da obra: 1897
Páginas: 272

Onde comprar: Submarino (edição Martin Claret) | Submarino | Livraria Cultura | Livraria Cultura (e-book) | Amazon (edição Kindle)

Aline T.K.M.
Criou o Livro Lab há 7 anos e blogar é uma das coisas que mais ama fazer, além do teatro, da dança e dos mais variados tipos de expressões artísticas. Tem paixão por viajar e conhecer outras culturas. Ah, e ama ler em francês!

 

Você também vai  

2 COMENTÁRIOS

  1. Oi Aline!
    caramba! leu um livro em francês? mas que chique ein? rsrsrs adorei! eu fiz 3 aulas de francês e até hoje só me lembro de "comme vous appelez vous?" hahahaha nem me lembro como responder :/ que triste.
    gostei muito do blog e voltarei aqui sempre :)
    beeijo!

    Blog Dramin

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu amo, amo, amo francês! =P Mas quando comecei a fazer aulas eu não mandava bem, não hahaha. Fico megafeliz que tenha gostado do blog! Beijo, beijo!!

      Excluir

Siga @aline_tkm lá no Instagram!

Parceiros