Resenha: Azul é a cor mais quente, de Julie Maroh | Livro Lab
Últimos vídeos    |  Se inscreva no canal
Resenha: Sopa de Lágrimas, de Gilbert Hernandez  3 hábitos musicais de hoje e da minha adolescência  My Little Pony – O Filme: 4 motivos para assistir
Leituras de abril

Resenha: Azul é a cor mais quente, de Julie Maroh

Francês 14 de abril de 2014 Aline T.K.M. 17 COMENTÁRIOS

Resenha da HQ Azul é a cor mais quente, de Julie Maroh

Graphic novel que deu origem ao – lindo – filme dirigido por Abdellatif Kechiche, Azul é a cor mais quente fala sobre o relacionamento amoroso entre duas garotas, Clémentine e Emma.

Garota comum, ainda estudante do liceu, Clém se descobre atraída por garotas. Tudo passa, então, a girar em torno do encantamento provocado pelo surgimento de Emma em sua vida. O medo e a reprovação que partem de si mesma a assombram; são, claramente, reflexos da visão limitada e conservadora dos pais, dos amigos (principalmente das amigas), enfim, da própria sociedade.

Sua história com Emma se transforma em um turbilhão de amor, desejo e conflitos – um dos quais atende por Sabine, a então companheira de Emma, além da não aceitação dos pais de Clémentine.

As ilustrações, simples mas atraentes, traduzem o tom ora melancólico ora desesperado da trama. Quase tudo aparece em matizes cinzentos; o azul dos cabelos e do olhar de Emma é a única cor “verdadeira” ali. Tudo mais que é importante na trama pega emprestado a mesma coloração azul. Nenhuma outra cor, apenas o azul; e é suficiente.

Com foco no início do romance entre as duas personagens e, sobretudo, nas descobertas de Clémentine (ainda uma adolescente) pelos caminhos tortuosos do amor, a trama mostra simplicidade e uma espécie de inocência bonita e um tanto frágil. A narração acontece através do diário de Clém; as memórias revelam a confusão que se instala em sua mente juvenil ao ver-se atraída por outra menina, a intensidade do amor por Emma, a tentativa frustrada de namorar um garoto...

Azul é a cor mais quente
Delicada e juvenil, a história só peca por não aprofundar na maturidade do relacionamento das protagonistas, nos anos que seguem o caloroso início. Mas, talvez, chego a desconfiar que esse pensamento esteja condicionado ao fato de ter visto e me maravilhado com o filme muito antes da leitura. Vai saber.

Provavelmente a dúvida de muitos: livro e filme são bem diferentes. Ambos lindos à sua maneira, valem cada segundo da atenção do leitor/espectador. Trabalho admirável, com direção de Abdellatif Kechiche, a adaptação - ainda que livre - não conseguiria ser mais perfeita.

A mensagem que traz a graphic novel vale para a vida: nossa existência é curta e já é difícil o bastante. Portanto, amar verdadeiramente, sem preconceitos nem distinções, é o que realmente importa. Seguir o coração e aproveitar o tempo que nos resta.

Em poucas palavras, Azul é a cor mais quente é uma trágica história sobre a descoberta do amor. Um amor que habita os extremos e se torna inesquecível ao leitor, mesmo bem depois de virada a última página.

LI EM FRANCÊS

Resenha da HQ Azul é a cor mais quente, de Julie Maroh

O reduzido volume de texto facilita a leitura. A linguagem é bastante informal; contudo, a presença de termos e expressões tipicamente adolescentes pode exigir aquela googlada básica para os nem tão familiarizados com a cultura francesa.

Edição lida: Le bleu est une couleur chaude, de Julie Maroh, Éditions Glénat, 2013.
Onde comprar em francês: Livraria Cultura | Book Depository

LEIA PORQUE

Tudo no livro é mostrado de um jeito bonito, meigo. Mesmo nas passagens que envolvem sexo, a sensualidade divide a cena com a doçura. Leitura obrigatória para aqueles que acreditam no amor, acima de tudo.

DA EXPERIÊNCIA

Se já tinha me apaixonado pelo filme, fiquei duplamente apaixonada depois que li a HQ. Como mencionei, as duas histórias tomam rumos bastante distintos e eu gostei disso – aliás, não acredito que algum leitor não vá curtir. Definitivamente, uma história muito bonita, tanto no livro como no filme.

FEZ PENSAR EM

Não pude deixar de me lembrar do incrível Minha Querida Sputnik, do Haruki Murakami. Nele, uma das protagonistas, recém-saída da adolescência, se apaixona por outra mulher. Apesar de não haver qualquer outra semelhança entre os dois livros, o sentimento de amor cristalino é um ponto em comum, definitivamente.

E também me fez lembrar do filme mais perfeito: Canções de Amor (Les Chansons d'Amour), dirigido por Christophe Honoré. Musical francês que aborda o relacionamento amoroso hétero e homo, mas, sobretudo, humano.


Capa da hq Azul é a cor mais quente

Onde comprar: Submarino

Título: Azul é a cor mais quente
Título original: Le bleu est une couleur chaude
Autor(a): Julie Maroh
Tradução: Marcelo Mori
Editora: Martins Fontes
Edição: 2013
Ano da obra: 2010
Páginas: 160

Aline T.K.M.
Criou o Livro Lab há 7 anos e blogar é uma das coisas que mais ama fazer, além do teatro, da dança e dos mais variados tipos de expressões artísticas. Tem paixão por viajar e conhecer outras culturas. Ah, e ama ler em francês!

 

Você também vai  

17 COMENTÁRIOS

  1. To com muita vontade de ler essa HQ. Também me apaixonei pelo filme, e quando soube da HQ, ela se tornou uma leitura obrigatória pra mim. Já folheei, e gostei muito do traço e da tonalidade usada. Espero me encantar com a leitura tanto quanto me encantei com o filme.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Thyeri, com certeza você vai se encantar. Acho que o fato de a história não ser igual ao filme fez com que eu gostasse ainda mais. Vale muito a pena ler!

      Excluir
  2. Oie, tudo bom?
    Escutei muitas coisas sobre a versão cinematográfica e a história parece ter um encanto natural. Essa Graphic Novel deixa tudo mais poético. Achei interessante!
    Beijos.
    http://livrosyviagens.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O filme é mesmo muito bonito e tem um lado mais "adulto" (não pelas cenas de sexo, mas a trama toda, no geral). Recomendo livro e filme. =)

      Excluir
  3. Adorei sua resenha Aline!
    A forma como você a desenrolou, bem contextualizada e o finalzinho nos explicando por quê ler o graphic, a experiência e os resultados, adorei mesmo!

    Eu vi que o filme tinha sido sucesso total e achei muito bacana! Até o nome é sugestivo mas ainda não tive tempo pra vê-lo! E confesso que sou fraca na hora de ler graphic novels, eu prefiro histórias mesmo. Talvez tenha uma versão como livro dessa história? Ou quem sabe saia, né? Se souber de algo, me avise?

    Beijos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, Jeh!
      Então, eu também nunca fui muito ligada em HQ, só bem recentemente é que comecei a ler uma ou outra que me interessaram, mas em francês. Mas essa, olha, vale muito a pena. A história é linda, as ilustrações são delicadas. E a edição brasileira é ainda mais bonitinha que a francesa.
      A HQ é anterior ao filme, e creio que não haverá livro "livro" mesmo. Não sei, mesmo se houvesse, sou meio avessa aos livros baseados em filmes.
      Ah, se tiver um tempinho, veja o filme sim. =)

      Excluir
  4. Excelente resenha. A muito tempo estou querendo ler esse livro ou HQ, como queiram. Gostei de como você expressou o sentimento puro por trás da história.
    Abraços

    estantejovem.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É mesmo uma bonita história de amor, recomendo sem ressalvas!

      Excluir
  5. Que lindas palavras Aline :)

    No momento estou lendo um romance em francês e me deu uma super vontade de ler o HQ agora... acho que o amor deve ser expressado de todas as maneiras, gestos e sexos!

    Super curiosa para conferir a obra!! Um xeru grande!

    www.ligiaeseumundo.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Legal saber que você está lendo em francês; que romance?? Li recentemente "Tous les matins du monde", logo mais sai review dele. =)
      Beijo!

      Excluir
  6. Gosto de livros intensos...
    Confesso que a primeira vista não me interessei em nada pelo livro, porém a sua resenha me apresentou uma nova forma de vê-lo, se tiver a oportunidade lerei com certeza.

    http://soubibliofila.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Leia sim - mesmo que eu seja suspeitíssima para falar, afinal amei a história. E se tiver oportunidade, veja o filme também.

      Excluir
  7. Tô doida para ler/ver esse livro/filme, mas infelizmente qdo estava em cartaz só estava passando em local longe, não sabia do livro...futucarei nas lojas para ler...

    Apesar de saber francês, só leio p/ o curso, é uma leitura difícil?

    Andy_Mon Petit Poison
    POISON ABOUT - Debutando #21 bit.ly/1kogDCt

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É, então, o ruim é que filmes europeus acabam entrando em apenas algumas salas; quando entra em algum cinema mais mainstream, são em horários bem escassos.
      Sobre a leitura em francês, não é difícil não. Vai tranquila! Tem algumas gírias, como eu disse, mas nada que uma pesquisadinha na internet não resolva. ;-)

      Excluir
  8. Uma amiga estava doida por esse HQ, disse que o filme é maravilhoso, mas eu não me interessei muito, porque nem leio HQs e sei lá, não me chamou muito a atenção sabe? Mas depois da sua resenha me bateu uma curiosidade sobre essa história *-*

    Beijos.
    Larissa - http://srtabookaholic.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Devo concordar com a sua amiga: o filme é mesmo maravilhoso. Eu também não tenho o costume de ler HQ, só as que me interessam especificamente (não costumo, por exemplo, procurar por novidades nem nada). E essa valeu cada página, linda demais.

      Excluir
  9. AMOOO quando o livro não é igual ao filme, isso me deixa empolgada. Assistir e ler coisas diferentes, mas que é a mesma coisa no final das contas.
    Não tenho dúvida que o livro seja ótimo. Ele anda em minha lista de compras.

    Beijinhos, Helana ♥
    In The Sky, Blog

    ResponderExcluir

Siga @aline_tkm lá no Instagram!

Parceiros