O Gato do Rabino – vol. 3: O Êxodo [Joann Sfar] | Livro Lab
Últimos vídeos    |  Se inscreva no canal
Resenha: Sopa de Lágrimas, de Gilbert Hernandez  3 hábitos musicais de hoje e da minha adolescência  My Little Pony – O Filme: 4 motivos para assistir
Leituras de abril

O Gato do Rabino – vol. 3: O Êxodo [Joann Sfar]

À la française 17 de março de 2014 Aline T.K.M. 4 COMENTÁRIOS


Em O Êxodo, terceiro volume da série em HQ O Gato do Rabino, assistimos ao casamento da jovem Zlabya e acompanhamos o casal em sua lua de mel em Paris. O velho rabino, pai da moça, também os acompanha, além do gato falante (que ainda não recuperou o poder da fala).

Repleta de contratempos, a estada em Paris não poderia ser mais divertida. Pelo menos para nós, leitores. Já os personagens vivem consideráveis momentos de dúvida e até angústia, a começar pelo velho rabino, que se recusa a ficar hospedado na casa dos pais do genro. Só que, ao mesmo tempo, é complicado para o rabino dirigir-se a um hotel e jantar em um restaurante em pleno Shabat judaico – sábado, dia de descanso judaico em que várias atividades são proibidas de ser realizadas ao longo de todo o período. Transgredir as regras acaba sendo a única opção do velho.

Zlabya não pode se impedir de comparar-se às francesas, e isso a deixa angustiada. Já o gato, bom, este arranja um companheiro com quem conversar: um cachorro bem simpático, que não cessa de abanar o rabinho – o que deixa o felino um tanto intrigado.

O Êxodo é, até o momento, o mais cômico de todos os volumes da série. Desde a estupefação do velho rabino com Paris, cujos habitantes, coitados, nem ao menos se encontram próximos ao mar; até as aventuras e conversas do gato e do cachorro – dupla infalível.

Ainda, vale a pena atentar para as reflexões do rabino quanto aos judeus com os quais ele se depara em Paris, que parecem diferentes do que ele está acostumado. Reflexões que o acompanham e se tornam ainda mais importantes ao agir de maneira contrária às regras do Shabat, fazendo com que questione alguns conceitos da religião.

Humor, profundidade e ironia são entregues ao leitor na forma de um texto cheio de significado – sem jamais abandonar a simplicidade – e através de desenhos cujos traços exibem beleza e mesmo sensualidade.

Terminar o volume já ansiando pelo próximo é destino certeiro dos leitores.

LI EM FRANCÊS


Da mesma forma que o primeiro e segundo volumes da série, este também traz leitura simples. Indico sem medo para os intermediários/avançados, que leem bem sem precisar recorrer ao dicionário o tempo todo.

Edição lida: Le Chat du Rabbin – 3. L’Exode, de Joann Sfar, Dargaud (collection Poisson Pilote), 2003.
Comprar em francês: Livraria Cultura
LEIA PORQUE...
A série continua genial, as ilustrações são belíssimas e os personagens são engraçados e, ao mesmo tempo, se dedicam seriamente à reflexão. Além de que foi bem divertido ver os personagens em Paris.

DA EXPERIÊNCIA...
Foi o melhor volume da série até agora! Fiquei com a empolgação renovada para ler os próximos. O único “porém” é que para continuar lendo a série devo esperar que a biblioteca adquira os próximos volumes, ou então comprá-los importados eu mesma. No Brasil, até onde sei, a série parou de ser editada no terceiro volume.

FEZ PENSAR EM...
Paris nas histórias. É incrível como, mesmo sendo cenário batido em muitas tramas, sempre são reveladas facetas diferentes da capital francesa.



Título: O Gato do Rabino – vol. 3: O Êxodo
Título original: Le Chat du Rabbin – 3. L’Exode
Autor(a): Joann Sfar, (colorido por) Brigitte Findakly
Tradução: André Telles
Editora: Zahar
Edição: 2006
Ano da obra: 2003
Páginas: 48

Aline T.K.M.
Criou o Livro Lab há 7 anos e blogar é uma das coisas que mais ama fazer, além do teatro, da dança e dos mais variados tipos de expressões artísticas. Tem paixão por viajar e conhecer outras culturas. Ah, e ama ler em francês!

 

Você também vai  

4 COMENTÁRIOS

  1. UAU, eu sempre tive vontade de aprender francês, mas moro em um fim de mundo onde cursos assim não existem =/. De qualquer maneira me interessei muito pela história, não sou a maior leitora de HQ do mundo, mas me interessei pela história da série de maneira geral.

    memorias-de-leitura.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Também não sou uma leitora assídua de HQs, mas ultimamente tenho lido algumas e gostei muito. Essa série O Gato do Rabino é muito boa e me surpreendeu. Quero ler os próximos volumes e parece que a biblioteca já os adquiriu. =)

      Excluir
  2. Li em francês! #chic #rycca #arrasou
    Parece ser bem interessante.
    Não temos quadrinhos nesse estilo aqui
    Adorei a dica!
    Beijinhos
    Rizia - Livroterapias

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Rycca é o melhor hahahah. Para dizer a verdade, conheço muito pouco - vulgo quase nada huahua - de quadrinhos, então realmente não sei dizer se por aqui há HQs desse tipo, mas até imagino que haja, viu (apesar de que a França, por exemplo, é muito mais rica nessa cultura de HQs, pelo pouco que percebi). Ultimamente descobri que gosto de histórias assim, mais reflexivas, mais dramáticas também, quando o assunto é HQ.

      Excluir

Siga @aline_tkm lá no Instagram!

Parceiros