Chez le Libraibre : Le Bonheur Conjugal, de Tahar Ben Jelloun | Livro Lab
Últimos vídeos    |  Se inscreva no canal
Filme: Um Tio Quase Perfeito  Livros recebidos em abril  Resenha + Sorteio: Quer que eu desenhe? (vol.2)
Leituras de abril

Chez le Libraibre : Le Bonheur Conjugal, de Tahar Ben Jelloun

À la française 8 de março de 2013 Aline T.K.M. 6 COMENTÁRIOS


Tenho vontade de ler Le Bonheur Conjugal, do Tahar Ben Jelloun, basicamente por dois motivos bem simples. Um deles é que tenho interesse em conhecer a escrita do autor, ter algum contato com sua obra. Nunca li autores árabes, mas acho (com base em "achismo" e intuição puros) que essa leitura seria uma boa “iniciação”, começando pelo contemporâneo. O segundo motivo é o próprio enredo. Nunca tive chance de folhear o livro, de espiar algumas páginas a esmo, muito embora a sinopse tenha mexido – e mexido forte – com a minha curiosidade. Enfim, é um livro que eu leria sem pensar duas vezes.

O livro chegou às prateleiras francesas no ano passado, e ainda não tem edição brasileira. Aliás, só o encontrei à venda na Amazon (usado) e no Book Depository. E, claro, na Fnac francesa, mas o valor do frete para o Brasil não compensa.

LE BONHEUR CONJUGAL, de Tahar Ben Jelloun, Éditions Gallimard, 2012.
RÉSUMÉ : Casablanca, début des années 2000. Un peintre, au sommet de sa gloire, se retrouve du jour au lendemain cloué dans un fauteuil roulant, paralysé par une attaque cérébrale. Sa carrière est brisée et sa vie brillante, faite d'expositions, de voyages et de liberté, foudroyée.
Muré dans la maladie, il rumine sa défaite, persuadé que son mariage est responsable de son effondrement. Il considère sa femme comme la responsable de tous ses maux. Aussi décide-t-il, pour échapper à la dépression qui le guette, d'écrire en secret un livre qui racontera l'enfer de son couple. Un travail d'auto-analyse qui l'aidera à trouver le courage de se libérer de sa relation perverse et destructrice. Mais sa femme découvre le manuscrit caché dans un coffre de l'atelier et décide de livrer sa version des faits, répondant point par point aux accusations de son mari.
Qu'est-ce que le bonheur conjugal dans une société où le mariage est une institution ? Souvent rien d'autre qu'une façade, une illusion entretenue par lâcheté ou respect des convenances. C'est ce que raconte ce roman en confrontant deux versants d'une même histoire.


Tahar Ben Jelloun é um escritor franco-marroquino e um nome consagrado da literatura contemporânea. Nasceu no Marrocos, mas vive na França. Toda a sua obra é escrita em língua francesa (ainda que seu idioma de origem seja o árabe), já que ele frequentou um liceu francês e ser bilíngue sempre fez parte de sua vida e trabalho.
Outro livro que parece ser bem interessante do autor é o infantojuvenil O racismo explicado à minha filha, já traduzido em 33 línguas. Ele aborda o tema tão delicado que é o preconceito e auxilia a que as crianças o compreendam. E, como vocês viram pelo título em português, ele já foi publicado por aqui.

Aline T.K.M.
Criou o Livro Lab há 7 anos e blogar é uma das coisas que mais ama fazer, além do teatro, da dança e dos mais variados tipos de expressões artísticas. Tem paixão por viajar e conhecer outras culturas. Ah, e ama ler em francês!

 

Você também vai  

6 COMENTÁRIOS

  1. Hm... interessante.. nunca ouvi falar do autor e muito menos do livro, vou pesquisar mais sobre isso.

    Beijokas :*
    Blog da Mylloka

    ResponderExcluir
  2. Aline, também tenho uma curiosidade imensa em ler títulos de autores árabes. Acho que os livros abordam as diferenças culturais de um panorama muito interessante e, embora eu não tenha compreendido a sinopse em francês (hahaha), achei a temática de "O Racismo Explicado à Minha Filha" bem peculiar.
    Beijo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é, Ana, acho que a gente sempre aprende muito quando lê algo proveniente de uma cultura diferente. Esse livro infantil que aborda o racismo, achei muito legal saber que foi traduzido e editado em vários países. Considero essencial abordar esse tipo de tema com as crianças. Bj!

      Excluir
  3. Não conhecia o livro, Aline. Mas também gosto bastante de autores que pertencem à outras culturas. Já é chegada a hora de pararmos de ler somente livros vindos dos EUA e, em menor quantidade, da Europa, não é mesmo?
    Beijos,
    alanahomrich.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Verdade, também acho legal variar e ler autores que nunca sequer ouvi falar. Tem horas que me dá vontade de ler um autor de algum país do qual nunca li nada, daí fico pensando em um país interessante para procurar algum autor de lá hahaha. Mas, mais do que variar a nacionalidade, acho muito válido variar de gênero e temática. =)

      Excluir

Segue @aline_tkm lá no Instagram!

Parceiros