Escola de Mulheres [Molière] | Livro Lab
Últimos vídeos    |  Se inscreva no canal
Resenha: Sopa de Lágrimas, de Gilbert Hernandez  3 hábitos musicais de hoje e da minha adolescência  My Little Pony – O Filme: 4 motivos para assistir
Leituras de abril

Escola de Mulheres [Molière]

À la française 27 de fevereiro de 2012 Aline T.K.M. 7 COMENTÁRIOS

Publicado originalmente em 1662, Escola de Mulheres é uma comédia teatral que figura entre os grandes clássicos da literatura.

Em tom satírico, o enredo se passa em pleno séc. XVII; casamento e adultério caminham juntos, e é de conhecimento geral que toda união vem acompanhada de um par de chifres, fato considerado mesmo inevitável e é tratado com certa complacência por parte dos maridos. Arnolfo sabe e comenta sobre seus conhecidos chifrudos, porém teme enormemente chegar um dia a sê-lo – mais que temer, ele não aceita de forma alguma que possa vir a ser traído por uma futura esposa. Então, criou uma jovem desde seus 4 anos de idade em um convento, para torná-la sua esposa. Arnolfo providenciou que a jovem Inês não recebesse educação adequada, fazendo-a idiota, estúpida e extremamente ingênua. Na visão de Arnolfo, é a mulher perfeita para se ter como esposa (já que acredita que as mulheres espirituosas e cultas utilizam-se de sua inteligência para bolar artimanhas para enganar os maridos). Porém o destino lhe prega uma boa peça: Inês e Horácio (filho de um amigo de Arnolfo) se apaixonam perdidamente e Arnolfo acompanha de perto o desenrolar do romance, pois, sem desconfiar de nada, Horácio o faz seu confidente.

Apesar de ter grande interesse em clássicos, as peças teatrais não estão entre minhas leituras preferidas. Li Escola de Mulheres sem grandes expectativas, mas para minha surpresa, a obra me agradou muito e manteve minha atenção do início ao fim. Achei-a divertidíssima, há momentos que são bem capazes de arrancar risadas dos leitores!

O livro traz linguagem simplificada e a leitura é gostosa de ser feita, fluindo rapidamente. Acho legal comentar que, a meu ver, a leitura fácil (e muito prazerosa) deve-se à excelente tradução de Millôr Fernandes. O texto é leve sem perder o espírito do tema tratado e a ironia que o cerca. (Dei uma espiadinha na versão original em francês: o texto é todo em verso e apresenta linguagem antiga – características próprias da época em que foi concebida a obra. Existe também uma outra tradução por Jenny Klabin Segall, que preserva tais características).

Os personagens – assim como as situações – são hilários, em especial o próprio Arnolfo, e também seus criados. A obra é uma sátira (bastante verossímil) e é muito interessante de ser discutida: o tema, mesmo depois de séculos, continua sendo bastante atual (diria que é o tipo de tema atemporal). É engraçado perceber como a ingenuidade de Inês, que deveria evitar o adultério, veio justamente a propiciar tal situação, uma vez que a moça agia puramente por instinto e nada via de errado em ver um rapaz pelo qual nutria paixão – ainda que estivesse destinada a se casar com Arnolfo.

É válido notar como, apesar da fúria e desgosto de Arnolfo, em certos momentos Inês consegue dele atitudes que revelam amor/afeto e disposição em satisfazê-la – lembrando que tudo acontece numa época em que era imposta a total submissão das mulheres, sendo sempre bem clara sua inferioridade em relação ao homem/marido. É, as mulheres sempre tiveram um jeitinho (proposital ou não) de "dobrar" os homens! =P

Bom, no fim das contas, a mensagem principal deste review é simplesmente: ler clássicos pode ser bem divertido! Além disso, Escola de Mulheres está longe de ser o tipo de leitura enfadonha que nos vem à mente (muitas vezes de forma automática) ao ouvirmos falar de obras muito antigas. Segunda mensagem do review, mas não menos importante: vale a pena dar uma chance para aquele gênero literário que não gostamos tanto assim. Como eu mencionei antes, não curto tanto o gênero dramático (teatro), e esta leitura foi uma agradável surpresa – que, inclusive, me deixou curiosa para descobrir outras obras de Molière.

Curiosidade: Escola de Mulheres foi um escândalo na época de sua concepção, e gerou muitas críticas. Em resposta, Molière escreveu nova peça chamada Crítica da Escola de Mulheres (La Critique de l’École des Femmes).

Sobre o autor: Jean-Baptiste Poquelin (mais conhecido como Molière), considerado um dos mestres da comédia satírica, marcou a dramaturgia francesa por suas críticas aos costumes da época. Com fina ironia penetrou profundamente nos sentimentos da alma e expôs as imperfeições inerentes à natureza humana, a sociedade e seus valores. Assim, em meio a situações cômicas e/ou irônicas emergem a pretensão, a arrogância, a soberba, a mesquinhez, a ostentação, o ciúme, demonstrados com sarcasmo cultivado. Com suas comédias de costumes satirizou a França de Luís XIV, os abusos da corte e a mediocridade da sociedade.

Título: Escola de Mulheres
Título original: L’École des Femmes
Autor(a): Molière
Editora: Paz e Terra
Edição: 1996
Ano da obra: 1662
Páginas: 130

Aline T.K.M.
Criou o Livro Lab há 7 anos e blogar é uma das coisas que mais ama fazer, além do teatro, da dança e dos mais variados tipos de expressões artísticas. Tem paixão por viajar e conhecer outras culturas. Ah, e ama ler em francês!

 

Você também vai  

7 COMENTÁRIOS

  1. Achei seu blog lindo!
    Parabéns.
    Já to seguindo.
    Bjs.

    ResponderExcluir
  2. Oi!

    Bom, desculpa estar mandando este comentário, mas é que com esta mudança do GFC, acabou sumindo meu gadget antigo e gostaria muito que você me seguisse novamente para não perdermos os contato, o que acha? (:

    Um beijão,
    Pronome Interrogativo.
    http://www.pronomeinterrogativo.com

    ResponderExcluir
  3. Aaaah, os clássicos. Adoro. Mas ainda não tinha lido esse.

    Gostei da sua resenha... Ela flui com desenvoltura e de modo coerente. Definitivamente me fez querer buscar esse livro. Parabéns.

    Gleice
    @MPessoais
    www.murmuriospessoais.com

    ResponderExcluir
  4. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  5. Adoro clássicos e este me pareceu bem divertido. Sempre tive a impressão que as mulheres sofrem nas mãos dos homens, principalmente nos séculos passados, mas pelo visto posso estar enganada, pois mesmo sendo subjugada, as mulheres tem e sempre tiveram seus métodos para contornar o poder masculino.
    um abraço
    Gisela - Ler para Divertir

    ResponderExcluir
  6. Escola de Mulheres.. *-*
    Ai caramba, como é bom ver uma galera que lê ai umas leituras e peças de Teatro, isso é tão bacana.
    E gostei mais ainda de saber que você gostou...
    Já leu mais alguma coisa de Molière???
    Doente Imaginário é interessante. E o filme Marquize conta a vida do autor é ótimo.

    ResponderExcluir
  7. @Helana Ohara
    Oi Helana, poxa, num li mais nada de Molière, mas adorei de verdade esta obra. Com certeza a tradução ajudou na questão da linguagem mais contemporânea, mas gostei também por achar o tema tão "atual" (visto a época em que foi escrito, acredito que o tema seja mesmo atemporal) e o humor é muito bem marcado. Se tiver oportunidade, gostaria sim de ler outras obras dele.

    ResponderExcluir

Siga @aline_tkm lá no Instagram!

Parceiros