‘Compra-me um Revólver’: terra de ninguém e uma realidade sem mulheres no filme de Julio Hernández Cordón | Livro Lab
Últimos vídeos    |  Se inscreva no canal
Resenha: Duplo Eu  Resenha: Confissões do Crematório, de Caitlin Doughty  Resenha: O Cemitério, de Stephen King
Semana do Consumidor Amazon | Livros

‘Compra-me um Revólver’: terra de ninguém e uma realidade sem mulheres no filme de Julio Hernández Cordón

Cinema latino-americano 29 de maio de 2019 Aline T.K.M. 2 comentários

Compra-me um Revólver: terra de ninguém e uma realidade sem mulheres no filme de Julio Hernández Cordón | Cinema

Num futuro nada distante, uma garotinha usa uma máscara e é acorrentada ao tornozelo para sobreviver. Huck (Matilde Hernández) vive com o pai, viciado em drogas, e o ajuda a manter um campo de beisebol abandonado e frequentado pelos traficantes. A menina precisa esconder seu gênero neste México distópico, controlado por cartéis e de onde as mulheres desaparecem gradativamente.

Diante do desconsolo trazido pelas fotografias da mãe morta – que representam, ao mesmo tempo, um senso de verdade e existência no mundo – e do medo de ser descoberta e separada do pai, Huck encontra apoio e alguma alegria com os amigos, um grupo de garotos de sua idade. Mas os acontecimentos que se seguem exigirão que a garota lute pela própria vida e liberdade em meio à máfia local.

Com estreia mundial no Festival de Cannes 2018, Compra-me um Revólver chega aos cinemas nesta semana e tem direção do premiado Julio Hernández Cordón.

Compra-me um Revólver: terra de ninguém e uma realidade sem mulheres no filme de Julio Hernández Cordón | Cinema

A partir do olhar de uma criança, enxergamos uma realidade devastadora. O filme de Cordón é pesado e não há eufemismos que possam suavizar o fato. Armas, mortes, tráfico e um pai que usa drogas na frente da filha; eis o mundo do qual estamos falando.

O aspecto realista aparece mesclado ao tom de alegoria, o cru ganha contornos fabulescos, mas sem se distanciar do mundo real. Pelo contrário, a violência salta ainda mais aos olhos. Ver a menina Huck caminhando por entre cadáveres massacrados feitos de papel tem efeito tão ou mais pungente do que se estes fossem representados por corpos reais.

Compra-me um Revólver: terra de ninguém e uma realidade sem mulheres no filme de Julio Hernández Cordón | Cinema

Se a trama tem ares pós-apocalípticos, a violência e as drogas e todo o sentido de terra de ninguém são elementos muito atuais. Compra-me um Revólver lança um olhar reflexivo para a questão sociopolítica que assola não apenas o México, mas o mundo de forma geral – incluindo os mecanismos que mantêm esse tipo de situação.

Compra-me um Revólver: terra de ninguém e uma realidade sem mulheres no filme de Julio Hernández Cordón | Cinema

Concebido como uma homenagem às histórias que alimentaram as fantasias do diretor quando criança, o longa também traz o amor desse pai pela filha, em contraponto a toda a brutalidade que os cerca. Um pai cheio de problemas, mas que tem na sorte a sua principal aliada, lado a lado com a garra para proteger a filha. O amor e a amizade restam como os únicos verdadeiros refúgios e chances de sobrevivência em meio ao caos.

Compra-me um Revólver: terra de ninguém e uma realidade sem mulheres no filme de Julio Hernández Cordón | Cinema

Sem ultrapassar hora e meia de projeção, Compra-me um Revólver é prova de que não é preciso se estender para contar uma boa história. Além da fotografia notável e da vivacidade da garota Matilde Hernández, o filme vale por cada um de seus aspectos. E, principalmente, por nos fazer enxergar um mundo que, de certa maneira, já é um pouco o nosso.

TRAILER E INFOS




Compra-em um Revólver (Cómprame un Revólver) – 84 min.
México | 2018
Direção: Julio Hernández Cordón
Roteiro: Julio Hernández Cordón
Elenco: Matilde Hernández, Ángel Leonel Corral, Rogelio Sosa, Wallace Pereyda, Sostenes Rojas, Fabiana Hernández, Mariano Sosa

Estreia: 30 de maio

Aline T.K.M.
Criou o Livro Lab há 9 anos e blogar é uma das coisas que mais ama fazer, além do teatro, da dança e dos mais variados tipos de expressões artísticas. Tem paixão por viajar e conhecer outras culturas. Ah, e ama ler em francês!

 

Você também vai  

2 comentários

  1. já que esse filme não irá alcançar muitas pessoas, não acharia nada ruim Hollywood fazer um remake - por pior que possa ficar, pelo menos trará uma segunda vida ao original que parece muito interessante.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Putz, aí eu vou ter que discordar rsrsrs. Eu num sou a favor quando resolvem fazer remake hollywoodiano de filmes de outros lugares. Na maioria das vezes o resultado deixa a desejar e acho que acaba distanciando o público de ver mais filmes de outros países, acaba caindo naquele "comodismo" de consumir só cinema americano, não ajuda a dissolver aquele pé atrás com o cinema de outras partes.

      Excluir

Siga @aline_tkm lá no Instagram!

Editoras Parceiras