SoSeLit #4: Até que ponto ter um blog influenciou o meu gosto literário? | Livro Lab
Últimos vídeos    |  Se inscreva no canal
Resenha: Terra das Mulheres  Resenha: Esperando Bojangles  Resenha: Minotauro
Semana do Consumidor Amazon | Livros

SoSeLit #4: Até que ponto ter um blog influenciou o meu gosto literário?

Blá 25 de abril de 2018 Aline T.K.M. 4 comentários

SoSeLit #4: Até que ponto ter um blog influenciou o meu gosto literário?

Novidade na área! Agora faço parte do grupo Sociedade Secreta Literária! Todo mês, os integrantes compartilham suas experiências como blogueiros literários e falam sobre assuntos diversos – alguns polêmicos rsrsrs – relacionados a esse universo! Este é o quarto post do projeto e, lá no final do texto, tem link para todos os blogs participantes.

Sempre que alguém me pergunta, digo que ter um blog literário transformou consideravelmente a maneira como eu leio e também o que eu leio. Sim, de certa forma, o blog transformou e ajudou a moldar o meu gosto literário atual.

A mudança mais significativa que aconteceu na minha vida de leitora – e que devo ao fato de ter um blog – foi a minha disposição em conhecer novos gêneros, livros e autores. Incluindo aqueles para os quais eu torcia o nariz – e torcia mesmo.

ANTES... EU TORCIA O NARIZ PARA YA

Tirando Harry Potter, que me acompanhou por boa parte da adolescência e do início da idade adulta e que eu amo mais que Nutella, antes do blog (e mesmo no começo dele) eu não curtia muito literatura young adult. Na realidade, nem me interessava em conhecer livros e autores do gênero. Se fosse livro para a galera mais jovem, eu preferia ficar com os clássicos juvenis e ponto – tipo O Mágico de Oz, Alice no País das Maravilhas -, ou então com os volumes da (incrível) Coleção Vaga-Lume. Um baita de um preconceito literário, né.

Com o tempo e ouvindo falar mais dos livros YA, decidi me abrir para o gênero e conhecê-lo de verdade, sem aquela vibe de “vou ler, mas sei que vou detestar, que vai ser bobo, etc”. Não deu outra, fui me apaixonando mais e mais! Percebi que de bobos esses livros não têm nada; super me identifico com os conflitos dos personagens e acompanhar o amadurecimento deles nas histórias é incrível. Hoje, leio YA com o mesmo prazer com que leio meus autores favoritos.

ANTES... EU NÃO TINHA PACIÊNCIA PARA CLÁSSICOS BRASILEIROS

Confesso também que, nos meus tempos pré-Livro Lab, eu tinha a maior dificuldade em gostar daqueles clássicos que somos obrigados a ler na escola. Eram poucos os que me cativavam – Dom Casmurro, Senhora, O Primo Basílio e A Hora da Estrela são raros exemplos de livros que eu amei na adolescência. A maioria eu não lia – #prontofalei –, simplesmente buscava resumo ou lia até a metade e abandonava.

Bem, ter um blog me abriu para revisitar alguns clássicos brasileiros e fazer as pazes com esses livros tão amados e, ao mesmo tempo, tão odiados por muitos. Só para vocês terem uma noção, li Lucíola quando tinha já meus 25 anos e adorei.

DEPOIS... EU CONHECI GÊNEROS PELOS QUAIS ME APAIXONEI

Fazer parte da blogosfera literária também fez com que eu conhecesse gêneros e formatos que eu não tinha tido a chance de ter contato antes – por falta de oportunidade e conhecimento mesmo.

Há poucos anos, conheci a ficção científica e as HQs, e foi tipo amor à primeira lida! E com o tempo também fui entendendo quais são os autores e subgêneros que mais me agradam, os quadrinhos que mais me interessam – porque eu continuo não curtindo super-heróis, mas antes eu achava que HQ era, em sua maioria, histórias de super-heróis.

DEPOIS... EU PASSEI A CURTIR AINDA MAIS OS MEUS FAVORITOS

E aqueles autores e livros que eu já curtia antes de ter um blog? Ah, meu amor e admiração por eles só aumentaram! Continuo amando meu Saramago, meu García Márquez, e o blog também me abriu portas para conhecer outros autores que se juntaram ao meu grupo de favoritos: Murakami, Julian Barnes, Martin Page, David Foenkinos,...

Da mesma maneira, meus gêneros mais queridos continuaram sendo lidos – romances policiais, thrillers psicológicos e literatura estrangeira em geral.

No entanto, a maneira como eu leio – mesmo os meus favoritos – se transformou enormemente. Parece que, quanto mais a gente lê, mais apurado fica o nosso olhar e mais exigente nos tornamos. Pura verdade. E também – aí não é só por causa do blog, mas também pela vida, amadurecer, etc – a gente acaba compreendendo uma obra de um jeito mais profundo, mais subjetivo, e enxerga mais camadas em tudo.

NO FIM DAS CONTAS, TER UM BLOG ME TRANSFORMOU MUITO!

Enfim, as transformações que ter um blog me trouxe quanto aos meus hábitos e gostos literários foram gigantes e extremamente positivas. Hoje sei bem do que gosto e do que não gosto, mas SEMPRE experimento antes de tecer qualquer opinião precipitada. Não torço mais o nariz antes de conhecer.

E, mesmo que eu não goste de determinado gênero/autor/livro, hoje consigo perfeitamente entender o ponto de vista de quem gosta – e mais, acho muito bacana discutir e trocar opiniões com os demais.

Mas, especialmente, ter um blog me ensinou a amar ainda mais aquilo de que eu já gostava.

Blogs participantes do SoSeLit: Eu Insisto | La Oliphant | My Dear Library | Um Metro e Meio de Livros | Coleções Literárias | Pétalas de Liberdade | Livro Lab

Aline T.K.M.
Criou o Livro Lab há 8 anos e blogar é uma das coisas que mais ama fazer, além do teatro, da dança e dos mais variados tipos de expressões artísticas. Tem paixão por viajar e conhecer outras culturas. Ah, e ama ler em francês!

 

Você também vai  

4 comentários

  1. Olá,
    Acho que essa coisa de ler mais 'de boas' os clássicos aconteceu comigo também, apesar de na época de escola ter lido não gostava, acho que hoje em dia consigo compreender melhor as histórias.

    Debyh
    Eu Insisto

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oie! Com certeza hoje em dia a gente tem um olhar diferente para os clássicos, a gente enxerga de forma mais ampla as camadas que as histórias trazem. Mas tem um livro que eu detestei tanto naquela época que eu não tenho coragem sequer de dar uma segunda chance... é O Guarani kkk, foi meu trauma literário dos anos de escola.

      Excluir
  2. Tão legal fazer parte desse projeto, né?! Que bom saber que os YAs conquistaram um espacinho na sua estante, também me identifico várias vezes com os dramas dos personagens. O blog também me trouxe bastante conhecimento novo, antes eu achava que HQ era só gibi, rsrs.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Adorei o projeto! Nossa, com certeza essa parte de conhecer gêneros novos foi o aspecto que eu mais amei. HQs e ficção científica hoje moram no meu coração, junto com os YAs rsrsrs. <3

      Excluir

Siga @aline_tkm lá no Instagram!

Editoras Parceiras