O Torreão [Jennifer Egan] | Livro Lab
Últimos vídeos    |  Se inscreva no canal
Leituras de outubro: 4 ótimos livros (ou quase!)  Resenha da HQ: A Diferença Invisível, de Julie Dachez e Mademoiselle Caroline  Resenha: As Primeiras Quinze Vidas de Harry August
Leituras de abril

O Torreão [Jennifer Egan]

Intrínseca 14 de março de 2015 Aline T.K.M. 6 COMENTÁRIOS


Danny King sai de Nova York para conhecer um castelo no leste europeu a convite de seu primo Howard, com quem há anos não tinha contato. Novo dono do castelo em ruínas, Howard pretende transformá-lo num hotel peculiar e as reformas já estão acontecendo. A incomunicabilidade – o local não pega sinal de celular nem wi-fi – deixa Danny à beira do desespero; para piorar, a atmosfera misteriosa que envolve o castelo mexe com ele. Uma piscina de águas turvas que testemunhou um acidente no passado; túneis subterrâneos que levam a câmaras mórbidas; um torreão habitado por uma velha e estranha baronesa cuja família viveu no castelo por gerações... A realidade, de repente, fica tão enevoada quanto tudo o que Danny vivencia no castelo.

Se tem alguém que é capaz de entrelaçar histórias e personagens dos mais diversos, fazendo com que suas trajetórias se toquem e influenciem, esta pessoa é Jennifer Egan. Em O Torreão, a autora mescla passado e presente, realidade e fantasia, e joga tramas e personagens em estradas que acabam por conduzir a uma mesma encruzilhada.

Sim, eu disse “tramas” no plural, mesmo. Quando o leitor começa a penetrar mais fundo na história de Danny, as páginas seguintes descortinam uma segunda trama que caminha em paralelo à primeira. Esta se trata da história de Ray, detento em uma prisão, que passa seus dias a ocupar-se com um curso na cadeia – e a nutrir certa fixação pela professora.

A sensação de clausura é grande. Apesar da imensidão do castelo, Danny está preso: distante do mundo virtual, do qual é tão dependente, sem se comunicar com seus contatos nem lembrar os demais de sua existência – o fato de ter trazido consigo uma antena portátil não serviu de nada, afinal. Já Howard carrega o trauma de ter permanecido perdido e sozinho em uma caverna, resultado de uma brincadeira de mau gosto quando adolescente. E Ray, por sua vez, está na prisão, clausura física mas também mental – a mesma rotina, os mesmos lugares, as mesmas pessoas, as mesmas picuinhas. Com a clausura, a solidão vem de brinde.

Um pouco como nos demais livros da autora, os males do mundo contemporâneo se fazem presentes, costurados na história de ares góticos. A dependência por vezes doentia do ser humano com relação à tecnologia, bem como a necessidade de estar “sempre conectado” e em contato com o outro, denunciam um medo descomunal do estar sozinho. Do outro lado, temos a baronesa anciã que vive solitária no torreão, sem nunca pisar fora dali e recusando-se a deixar a propriedade que vinha sendo de sua família há 900 anos. Por cima de tudo isso, a trama nos apresenta o ser humano contemporâneo desprovido da capacidade – e da disponibilidade – da imaginação, delegando esta tarefa (a de imaginar) à indústria do entretenimento, da qual passa a ser dependente.

Se o homem perdeu o poder de imaginar, o livro, por outro lado, explora bastante o aspecto imaginativo. Realidade e especulações se confundem a tal ponto que o leitor fica à mercê das palavras da autora. Pensamos e especulamos junto dos personagens e sobre os personagens.

Sabe aquela sensação de que nada é o que parece ser? Pois bem, estamos falando de Jennifer Egan e, justamente por isso, o leitor pode esperar boas reviravoltas e surpresas. Já deliciados pela prosa da autora e acreditando nos aproximarmos do desfecho de tudo, uma terceira trama chega para nos dar algumas respostas e, de forma inteligente e saborosa, plantar-nos mais algumas dúvidas. Enfim, as interpretações e possibilidades se multiplicam do início ao fim.

Diferente e imagético, O Torreão é um livro assim, meio louco, meio sombrio, meio dramático, meio irreal, meio misterioso. E intenso. Vale a leitura e uma boa viajada antes, durante e depois. Só não vale ficar de comparação com os outros dois livros da autora lançados por aqui; publicado originalmente antes, O Torreão não alcança (na própria trama e qualidade narrativa) os excelentes Olhe para mim e A visita cruel do tempo. Ainda assim, é um livro muito bom; recomendo sem hesitar.

LEIA PORQUE...
É um livro fora do usual, que une elementos improváveis à primeira vista. Leitura gostosa, deixa o leitor matutando. Ao mesmo tempo, vejo-o como um livro que talvez não agrade a totalidade dos leitores. Conselho: mergulhe de cabeça aberta, sem amarras.

DA EXPERIÊNCIA...
Não é segredo que gosto muito dos livros da Jennifer Egan. Meio diferentão dos outros dois, este aqui também me agradou: fui envolvida pela trama, e continuei percorrendo-a em pensamento mesmo depois de virada a última página.

FEZ PENSAR EM...
Fluam, minhas lágrimas, disse o policial. Embora os dois livros sejam distantes com relação ao gênero e à trama, na distopia futurista de Philip K. Dick vemos um protagonista cuja realidade é extremamente questionável. A trama mexe com a percepção do real, evidencia a solidão e, assim como no livro de Jennifer Egan, faz o leitor viajar.

QUANTO VALE?

Título: O Torreão
Título original: The Keep
Autor(a): Jennifer Egan
Tradução: Rubens Figueiredo
Editora: Intrínseca
Edição: 2012
Ano da obra: 2006
Páginas: 240
Onde comprar: Submarino (preço MUITO tentador!) | Americanas.com (idem!) | Fnac | Amazon (livro físico) | Amazon (edição Kindle)

Aline T.K.M.
Criou o Livro Lab há 7 anos e blogar é uma das coisas que mais ama fazer, além do teatro, da dança e dos mais variados tipos de expressões artísticas. Tem paixão por viajar e conhecer outras culturas. Ah, e ama ler em francês!

 

Você também vai  

6 COMENTÁRIOS

  1. Nunca li este livro. Parece te ruma trama interessante. Tenho um livro da Jennifer Egan em casa, preciso ler.

    Beijinhos, Helana ♥
    In The Sky, Blog / Facebook In The Sky

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Adoooro Jennifer Egan, a narrativa dela é daquelas que te amarra desde o primeiro parágrafo, sabe. Acho que ela sabe trabalhar muito bem os personagens, as conexões das tramas. O Torreão é muito bom, mas os outros dois são ainda melhores. Beijooo!

      Excluir
  2. Olá, tudo bem? Esse livro parece ser complicado e um tanto perturbador, rs. Mas gosto de livros que nos dão a sensação de "nada é o que parece ser". Os livros do Harlan Coben são dão isso e eu adoro.
    Mas, "O torreão" parece ser um daqueles que realmente nos surpreende e alcança um outro nível, além de apenas nos contar uma história.
    Ah,sua resenha está ótima. Adoro quando o leitor não apenas lê, mas pensa sobre o que leu!
    Super beijos <3
    http://livros-cores.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olha, nunca li nada do Harlan Coben, sabia? Mas sempre leio/ouço falarem tão bem dele que confesso que a curiosidade é grande. Ainda pretendo ler.
      Sim, O Torreão surpreende, e é daqueles livros em que o final dá abertura para várias possibilidades de interpretação (gosto disso). Obrigada, fico mesmo bem feliz que tenha gostado da resenha. =) Eu às vezes me perco em viagens quando leio, por isso gosto de colocar um pouco do que reflito quando escrevo as resenhas. Beijão!

      Excluir
  3. Aline, gostei muito da proposta do livro e realmente parece diferir bastante de muitas coisas que estamos acostumados a ler. Gosto quando um livro surpreende assim!

    Beijos,
    Camila | www.lendoporai.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Também gosto de ser surpreendida, e com esse livro isso realmente aconteceu. Agora mal posso esperar pelo próximo livro da Jennifer Egan que sairá logo mais. ^^ Bjs.

      Excluir

Siga @aline_tkm lá no Instagram!

Parceiros