Como me tornei freira [César Aira] | Livro Lab
Últimos vídeos    |  Se inscreva no canal
3 motivos para ver Descendentes 2, o novo filme do Disney Channel  Resenha: Civilizações – A Fonte: dois mundos, uma jornada, de Wallace Horta  Making of O Reino Gelado – Fogo e Gelo: com Larissa Manoela, João Guilherme, João Côrtes e Lipe Volpato
Leituras de abril

Como me tornei freira [César Aira]

César Aira 23 de maio de 2014 Aline T.K.M. 11 COMENTÁRIOS


Mais um – excelente – volume da coleção Otra Língua (ed. Rocco), Como me tornei freira traz duas novelas marcadas pela presença do inusitado e acrescidas de colheradas de surrealismo.

Na primeira delas, “Como me tornei freira”, o traumático episódio do primeiro sorvete de morango de uma criança de seis anos leva a uma tragédia que influenciaria sua vida e ditaria seu não menos trágico destino. Curiosamente, a criança da história atende pelo nome do próprio autor, um narrador-personagem que se mostra ora menino ora menina.

Já em “A costureira e o vento”, o desaparecimento repentino de uma criança leva a uma busca com características um tanto insólitas rumo à Patagônia. A mãe do garoto desaparecido, a costureira Delia Siffoni, é quem aproxima tão improváveis elementos e personagens: um caminhoneiro, um vestido de noiva, um cadáver, seu marido (também caminhoneiro), uma mulher num carrinho diminuto e, claro, o vento.

Se na primeira novela, a trama passeia pelos meandros da mente do pequeno protagonista, em “A costureira e o vento” nos deparamos, em determinado momento, com a costureira adentrando os aposentos (sim, aposentos!) de um caminhão gigantesco, percorrendo caminhos tão labirínticos como o são os corredores da consciência.

Em ambas as narrativas, somos levados do deslumbramento ao sentimento de asco quase palpável, em uma inabitual mescla de elementos e situações. A prosa deliciosa entra no pacote como companhia perfeita para as tramas que a cada instante surpreendem o leitor.

Inevitáveis, aqui as encruzilhadas são até mesmo necessárias, e as possibilidades não cessam de multiplicar-se. Neste universo já bastante raro, nada mais justo, pois, que a possível resolução dos conflitos dependa da sorte e de algumas estratégias em uma mesa de carteado.

O livro é parte da coleção OTRA LÍNGUA, cujos autores têm em comum o idioma espanhol latino-americano.

LEIA PORQUE...
Todo o impossível contido nas tramas é o principal atrativo da coisa, é o ingrediente que dá sabor único ao livro. Curioso e diferente, a ser consumido de um só gole.

DA EXPERIÊNCIA...
Ô coleçãozinha viciante, essa Otra Língua... Já aviso que Como me tornei freira é mais um daqueles livros que te faz ignorar que existe vida além das páginas.

FEZ PENSAR EM...
O que eu não daria para poder bisbilhotar a mente desses escritores latinos...

Título: Como me tornei freira (seguido de A costureira e o vento)
Título original: Cómo me hice monja / La costurera y el viento
Autor(a): César Aira
Tradução: Angélica Freitas
Prefácio: Sérgio Sant’Anna
Editora: Rocco (coleção Otra Língua)
Edição: 2013
Ano da obra: 1998 ("Como me tornei freira"), 1993 ("A costureira e o vento")
Páginas: 256
Onde comprar: Saraiva | Saraiva (e-book) | Livraria da Travessa | Submarino | Livraria Cultura | Livraria Cultura (e-book) | Amazon (edição Kindle)

Aline T.K.M.
Criou o Livro Lab há 7 anos e blogar é uma das coisas que mais ama fazer, além do teatro, da dança e dos mais variados tipos de expressões artísticas. Tem paixão por viajar e conhecer outras culturas. Ah, e ama ler em francês!

 

Você também vai  

11 COMENTÁRIOS

  1. Oiee ^^
    Fiquei bastante curiosa *-* quero conhecer esse episódio do sorvete, e também acompanhar o desaparecimento do garotinho. Não conhecia a coleção da Rocco, mas como todos os outros livros da editora, o precinho é bem salgado *-*
    MilkMilks
    http://shakedepalavras.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É verdade que os livros da Rocco não são os mais baratinhos, infelizmente... Mas olha, vale MUITO a pena ler os livros dessa coleção, especialmente se você já gosta de autores latinos. Recomendo muito. Beijos!!!

      Excluir
  2. Olá, a obra me pareceu ter uma construção bastante interessante, porém não me senti atraída por esta leitura.
    Ótima resenha!
    Bjs...

    Letras & Versos

    ResponderExcluir
  3. Esta coleção parece ser mesmo interessante e viciante!
    Já, o Como me tornei Freira, me atraiu pelos traços fortes!

    Bom final de semana!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A coleção Otra Língua foi uma das melhores coisas que li este ano, essa é a verdade! ^^

      Excluir
  4. Toda postagem tua sobre os livros dessa coleção eu fico fascinado. Posso estar redondamente enganado, mas a sensação que tenho é que irei amar os livros dessa coleção. Minha impressão com este livro não foi diferente dos outros, as duas histórias me atraíram pela singularidade em relação às minhas outras leituras. Espero ter a oportunidade de ler algum deles um dia. Abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Thyeri! Olha, lê sim se você puder, porque vale muito a pena. Gostei demais de todos os livros da coleção, muito mesmo. Como sempre curti autores latino-americanos, me esbaldei com esses livros hehe. Não sei, os latinos têm um estilo bem peculiar de escrita que me atrai bastante. Bjs!

      Excluir
  5. Nunca tinha me interessado por esse livro, mas agora ele acaba de pular para o topo da lista de desejados. Pelo que você falou as estórias devem ser fascinantes! Adoro livros nesse estilo, então acho que também gostarei desse.

    Beijos :*
    www.tainahrodrigues.com
    fantasiandocomoslivros.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tainah, tanto esse como os demais livros da coleção são ótimos, recomendo sem dúvidas. Este em especial é interessante principalmente se você curte histórias em que o real e o surreal se entrelaçam. Beijo.

      Excluir
  6. Oi Aline, tudo bem?

    São histórias bem diferentes das quais costumo ler, mas exatamente por isso fiquei ainda mais curiosa. Acho bacana essas narrativas que mesclam o impossível com uma narrativa envolvente e surpreendente. Sem contar que adoro histórias que mostram o efeito "bola de neve", isso de que como um acontecimento aparentemente pequeno muda uma vida.

    Beijos,

    Pah - Livros & Fuxicos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é, é exatamente este o ponto, também gosto de histórias em que os acontecimentos se afetam e se acumulam, meio que um "efeito dominó". Esse livro é bem isso mesmo, principalmente a segunda história, A Costureira e o Vento. =)

      Excluir

Siga @aline_tkm lá no Instagram!

Parceiros