Resenha: Cordilheira, de Daniel Galera | Livro Lab
Últimos vídeos    |  Se inscreva no canal
3 motivos para ver Descendentes 2, o novo filme do Disney Channel  Resenha: Civilizações – A Fonte: dois mundos, uma jornada, de Wallace Horta  Making of O Reino Gelado – Fogo e Gelo: com Larissa Manoela, João Guilherme, João Côrtes e Lipe Volpato
Leituras de abril

Resenha: Cordilheira, de Daniel Galera

Amores Expressos 29 de agosto de 2013 Aline T.K.M. 20 COMENTÁRIOS

Resenha: Cordilheira, de Daniel Galera

Recém-saída de um relacionamento amoroso e ainda impactada pelo suicídio de uma amiga, Anita aproveita o lançamento de seu romance na Argentina para passar uma temporada em Buenos Aires. Considerada uma das melhores surpresas da nova literatura brasileira, Anita vive um recomeço: se envolve com um misterioso fã argentino e passa a conviver com seus amigos de hábitos bizarros, fazendo com que comece a deixar o passado para trás e a se tornar algo que ela mesma desconhece.

Cordilheira é um livro sobre gente que escreve, e tem tudo para agradar outro tanto de gente que aprecia uma boa história com personagens beirando o limite da sanidade. Uma história sobre o estar sozinho, sobre encontros e desencontros, perdas e autotransformação.

O ritmo é acelerado. Os personagens escondem um detalhezinho em suas vidas pessoais, algo que eles têm em comum, que os conecta à literatura e que só é compartilhado entre os integrantes do grupo – composto pelo novo namorado de Anita e os amigos dele. Apesar de instigante, esse segredo é revelado com considerável rapidez, antes mesmo de permitir ao leitor uma viagem mais profunda acerca de sua natureza.

Um destaque é a tamanha naturalidade da voz em primeira pessoa de uma personagem do sexo feminino, feita por um homeme não é qualquer homem, mas Daniel Galera. Em um terreno onde estereótipos e excessos seriam possíveis deslizes, ele deu vida a uma narradora real e humana em suas motivações.

O que verdadeiramente impulsiona o enredo, e que é a essência do tal segredo do grupo de amigos, é o fato de que os personagens – protagonista inclusa – apresentam alguma obsessão, uma ideia fixa que, em termos gerais, poderia ser resumida na busca de algo que lhes dê sentido à vida. É nesse momento que ficção e realidade se fundem; separá-las é algo impensável e, mais que isso, indesejável.

LEIA PORQUE

É Daniel Galera, gente. Não preciso dizer mais nada, preciso?

DA EXPERIÊNCIA

Teria gostado se o autor se detivesse um momento mais em cada integrante do grupo e sua bizarra relação com a literatura? Teria adorado. Ainda assim, sigo convicta: foi rapidinho, mas enormemente satisfatório.

Foi um livro diferente, sem dúvida, e no melhor sentido da palavra. Recomendo fortemente. No entanto, desencorajo qualquer intenção de compará-lo ao sensacional Barba Ensopada de Sangue, que certamente sairia vencedor.

FEZ PENSAR EM

A ficção imita a realidade, ou a realidade imita a ficção? Qualquer semelhança com a vida real será mera coincidência...

Cordilheira foi o primeiro lançamento da coleção AMORES EXPRESSOS, da Companhia das Letras. Nela, autores brasileiros escrevem histórias de amor ambientadas em diversas cidades do mundo. Veja mais sobre os livros já lançados da coleção.



Onde comprar: Livraria Cultura | Amazon (e-book Kindle)

Título: Cordilheira
Autor(a): Daniel Galera
Editora: Companhia das Letras
Edição: 2011
Ano da obra: 2008
Páginas: 176

Aline T.K.M.
Criou o Livro Lab há 7 anos e blogar é uma das coisas que mais ama fazer, além do teatro, da dança e dos mais variados tipos de expressões artísticas. Tem paixão por viajar e conhecer outras culturas. Ah, e ama ler em francês!

 

Você também vai  

20 COMENTÁRIOS

  1. Não conhecia esse livro
    Mas não me chamou muita atenção

    Beijos
    @pocketlibro
    http://pocketlibro.blogspot.com

    ResponderExcluir
  2. Essa trama de um grupo de pessoas obcecadas com alguma coisa ligada à literatura foi uma ideia bastante interessante, principalmente pela forma como a Anita se une ao grupo. Na verdade, o grupo já existia e o Holden já detectava uma possível obsessão da autora de acordo com o seu livro. O mais curioso é que enquanto todos estavam certos de seguir ao pé da letra o que seus romances determinavam ou rumavam, Anita era a que mais queria "sair" do seu livro, ou seja, ela não se identificava nem um pouco aquilo. Foi um baita dum conflito para um pequeno livro que tinha tudo para ser pretensioso, mas que, no final das contas, teve um resultado singelo e sofisticado ao mesmo tempo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é, gostei bastante da premissa do livro, da questão psicológica que envolve cada personagem, e a clara distinção da relação do grupo com os livros e a de Anita com seu livro que já não a "representava". Fiquei querendo que o livro fosse maior hahaha, que entrasse mais no íntimo de cada um dos integrantes do grupo, que os explorasse ao máximo. Mesmo assim, foi um baita de um livro. Bjs!

      Excluir
  3. Estou lendo meu primeiro Daniel Galera, o "Mãos de Cavalo". Curtindo bastante a escrita extremamente descritiva e sensível deste livro. Todos falam bastante do autor e do Barba Ensopada de Sangue, então devo ler este também. E ainda tem Cachalote, que parece ser lindo!

    Abraço!
    www.quermedar.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Antes de Cordilheira, só li Barba Ensopada de Sangue, e nossa, garanto que se você ler não irá se arrepender. Muito bom. Mãos de Cavalo é um que eu quero ler ainda, e ah, vi Cachalote não faz muito tempo na livraria e fiquei com a impressão de que iria gostar bastante. Beijo!

      Excluir
  4. Não conheço nenhum livro do autor (pelo menos não lembro) mas depois do comentário vou ver se leio um dele para dar minha opinião.

    Abraços
    http://reaprendendoaartedaleitura.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  5. Aline, ultimamente estou me interessando muito por histórias realistas e a resenha me deixou com ótimas expectativas! Vou anotar o nome na minha lista interminável de próximas leituras!

    Abraços, Isabela.
    www.universodosleitores.com

    ResponderExcluir
  6. Ainda não conheço Galera, já me recomendaram o Mãos de Cavalo algo assim dele, você também fala muito bem do autor fico no mínimo curioso.
    Interessante isso dele construir uma personagem feminina "real" sem parecer clichê.

    Abs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Amanto, também quero ler Mãos de Cavalo, e olha, recomendo o autor assim, de olhos fechados. O cara é muito bom. Leia Barba Ensopada de Sangue! Cordilheira também é MUITO bom!

      Excluir
  7. Tenho vontade de ler esse exatamente por causa da coleção Amores Expressos, mas não sei se começo por ele ou pelo Barba. Fun fact: na livraria, uma vez, foram procurar o "Barbie ensanguentada". Pois é.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Calma!!! "Barbie ensanquentada"???? Hahahahhahahhaha mesmo? Não creio! Acho que não iria aguentar se visse isso ao vivo, iria morrer de rir. =)
      Tô louca por toda a coleção Amores Expressos, essa é a verdade! Quando ao Galera, sugiro que comecei por Cordilheira para depois ir para o Barba.

      Excluir
  8. Gosto do Daniel Galera, mas cara: meu namorado é apaixonado pelos livros dele. Ele leu BArba Ensopada de Sangue e eu dei Mãos de Cavalo e O Dia em que o Cachorro fez sei lá o que. E ele devorou todos. Vou indicar esse aí.

    Beijo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Raquel, indica sim porque é um ótimo livro. Só que - minha opinião - Barba Ensopada de Sangue ganha, é um livro realmente sensacional. Quero ler os demais livros do escritor, com certeza.

      Excluir
  9. Não conhecia o livro, mas já adicionei a minha lista de desejados. Achei bem interessante o projeto da Companhia das Letras.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Gabi, essa coleção está consideravelmente extensa, vários livros já foram lançados (o último, se não me engano, é um que se passa em Dublin e estou querendo muito ler).

      Excluir
  10. Ótima resenha! Fiquei bastante curiosa :3
    Aliás, obrigada por visitar o CH ♥
    Isabela

    ResponderExcluir
  11. Oi Aline,
    Que surpresa quando vi que era Daniel Galera nesse post.
    Eu li Barba Ensopada de Sangue (e resenhei) e adorei o autor, foi meu primeiro contato. Me apaixonei a primeira leitura. Depois disso fiquei louco para ler qualquer outra obra dele.
    E eis aí uma boa dica. Acho que será o próximo que eu vou ler dele.
    Ele sabe retratar como ninguém o ser humano em sua face mais próxima do real. Muito bom.
    Beijos
    ​​​​ ​​​​Cooltural

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ademar, eu também comecei com Barba Ensopada de Sangue e me apaixonei. Foi literalmente sensacional. E Cordilheira foi o segundo livro que li do Galera. O cara manda bem de verdade, leia sim, recomendo! Gosto da escrita dele, dos diálogos. Um beijo.

      Excluir
  12. Li esse livro empurrada pro Clube de Leitura da Companhia das letras mes passado... não gostei e graças a Deus não fui a única. O autor toca em vários pontos sem se aprofundar em nenhum e pra quem está acostumado a ler coisas boas nao chama a tenção no quesito "conteúdo literário". Parece q foi escrito sob pressão de tempo e sem cuidados. Depois de ter gasto meu precioso dinheiro neste livro o encontrei de graça na internet...não tive sorte com esse autor! Foi o primeiro livro dele que li e acho que será o último.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Concordo que os personagens e os acontecimentos não são narrados em profundidade, mas não encarei isso como algo negativo, senão como mera característica do romance. Mas reconheço que se este tivesse sido o primeiro livro que li do Galera, também não iria ficar muito empolgada. Gostei do livro, só não o achei magistral.
      Agora, importante!!!! Sério! Leia Barba Ensopada de Sangue, e você verá realmente um livro excepcional, incrível. Mesmo!
      Como eu li Barba antes de Cordilheira, foi meio que natural comparar; acredite, Barba está entre os melhores livros de literatura brasileira que já li na vida.

      Excluir

Siga @aline_tkm lá no Instagram!

Parceiros