Eu Receberia as Piores Notícias dos seus Lindos Lábios [Marçal Aquino] | Livro Lab
Últimos vídeos    |  Se inscreva no canal
Leituras de outubro: 4 ótimos livros (ou quase!)  Resenha da HQ: A Diferença Invisível, de Julie Dachez e Mademoiselle Caroline  Resenha: As Primeiras Quinze Vidas de Harry August
Leituras de abril

Eu Receberia as Piores Notícias dos seus Lindos Lábios [Marçal Aquino]

Companhia das Letras 30 de maio de 2012 Aline T.K.M. 9 COMENTÁRIOS

Aos que foram leitores vorazes da série Vaga-Lume, o nome Marçal Aquino provavelmente fará lembrar A Turma da Rua Quinze. Fora os títulos infanto-juvenis, o autor escreveu poesia, roteiros de cinema e romances para o público adulto; isso além de atuar no campo do jornalismo. Mas este post é justamente para falar sobre o livro cuja adaptação estreou nos cinemas recentemente: Eu Receberia as Piores Notícias dos seus Lindos Lábios.

O fotógrafo Cauby se recupera de um trauma numa pensão barata, numa cidade do Pará prestes a ser palco de uma nova corrida do ouro. Sua voz é impregnada da experiência de quem aprendeu todas as regras de sobrevivência no submundo – mas não é do ambiente hostil ao seu redor que ele está falando. O motivo de sua descida ao inferno é Lavínia, a misteriosa e sedutora mulher de Ernani, um pastor evangélico.
A trajetória do fotógrafo, dado a premonições e a um humor desencantado, vai sendo explicada por meio de pistas: a história do fotógrafo Chang; o mistério do jornalista local Viktor Laurence,... Mesmo diante de todos os riscos, Cauby decide cumprir seu destino com o fatalismo dos personagens trágicos.

"Nunca acreditei no diabo", diz ele. "Apenas em pessoas seduzidas pelo mal."


Se o título e a capa – linda, por sinal – já atraem atenções, esperem até devorar esta história, página por página, até o último ponto final. Uma história de amor avassaladora e cheia de particularidades nos é contada em primeira pessoa por Cauby. Outras histórias são contadas em paralelo, como por exemplo, a que une o pastor Ernani e Lavínia – esta, o objeto de amor e desejo de Cauby. Ainda, o relato da história do amor platônico vivido pelo careca, hóspede da pensão, entremeia-se muitas vezes com a história de Cauby, mostrando as dimensões e facetas do amor, e as loucuras que só os que o sentem são capazes de cometer.

Mas a cereja do bolo é Lavínia. Misteriosa e sedutora, ela se desdobra em duas: uma mais recatada e, oposta a esta, uma Lavínia selvagem e cheia de volúpia. Revelou-se uma personagem como poucas vezes presenciei nos livros. Ainda que o texto navegue pelo psicológico de Lavínia, uma aura de mistério permanece intocada – o principal atrativo do livro. Em minha modesta opinião de leitora, vejo em Lavínia traços da Capitu machadiana – no que se refere ao aspecto sedutor e à bruma de segredo que as envolve. Livros e mais livros poderiam ser escritos, ainda assim, admitamos, seria impossível penetrar certos cantos da mente, da alma e do coração de Capitu. E foi de forma semelhante que enxerguei a Lavínia de Marçal Aquino.

Palavras sábias são adicionadas através das citações de um tal professor e psiquiatra Benjamim Schianberg. Este “teórico do amor”, que só existe na ficção, expressa verdades de forma tão direta quanto crua em seus livros, cujos trechos Cauby divide com o leitor:

O professor Benjamim Schianberg, o homem que dizia ocupar-se das “fezes da alma”, escreveu que nos alimentamos tanto do bem quanto do mórbido. No meio disso, ele assunta, existe a poesia.
(Curiosidade: o personagem foi objeto de inspiração para o filme “O Amor Segundo B. Schianberg” - direção de Beto Brant, Brasil, 2009.)

Página de abertura da primeira parte da história
(Imagem: blog prascucuias.com.br)
Outros personagens enriquecem a trama. Em todos eles existe um quê de mistério, como se fossem parte de um intrincado jogo de palitinhos – aquele em que ao tocar um palito erroneamente, acabamos por mover todos os restantes. Ainda, e permeando todo o contexto da trama, há o conflito entre uma companhia mineradora e os garimpeiros, fazendo com que o clima de tensão esteja sempre presente na narrativa. Uma tensão geral, que abala a cidade, caminhando em paralelo com as tensões individuais de cada personagem.

Sem mais, seria injusto não concluir de forma imperativa: leiam Eu Receberia as Piores Notícias dos seus Lindos Lábios o quanto antes!

Trailer do filme Eu Receberia as Piores Notícias dos seus Lindos Lábios (direção de Beto Brant e Renato Ciasca, 2011), cujo roteiro é do próprio Marçal Aquino:


Título / Título original: Eu Receberia as Piores Notícias dos seus Lindos Lábios
Autor(a): Marçal Aquino
Editora: Companhia das Letras
Edição: 2011
Ano da obra: 2005
Páginas: 232

Aline T.K.M.
Criou o Livro Lab há 7 anos e blogar é uma das coisas que mais ama fazer, além do teatro, da dança e dos mais variados tipos de expressões artísticas. Tem paixão por viajar e conhecer outras culturas. Ah, e ama ler em francês!

 

Você também vai  

9 COMENTÁRIOS

  1. Li muito esse livro no metrô, peço desculpas as senhorinhas que deixei de dar lugar, pois fiquei vidrado na história. Sensacional. Realmente no imperativo, quem não leu leia.

    Tô bem afim de ver o filme, duro é as sessões as 6 da tarde.

    ResponderExcluir
  2. Gostei da sinopse e a história me chamou bastante atenção, entrou para listinha do 'vou ler'

    Andy_Mon Petit Poison

    ResponderExcluir
  3. O livro é excelente mesmo, mas o filme deixa bastante a desejar. Entre outras coisas, não exploram as frases do Prof. Schianberg, que foi o que eu mais gostei no livro.

    ResponderExcluir
  4. A história se passa na cidade onde moro e redondezas. Ainda não consegui ler por completo a história e nem consegui pegar lugar na fila dos cinemas. A Camila Pitanga é uma simpatia de pessoa a parte. Bora ver, né... ;)

    ResponderExcluir
  5. Nossa, que livri curioso, este título imenso e a capa bem original, nao é lançamento e eu nunca tinha ouvido falar, adoraria ler esta história.

    Vanessa - http://balaiodelivros.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  6. eu ouvi falar do filme, mas não sabia que era um livro também. fiquei bastante curiosa pelos dois, a história parece super intensa e envolvente :)

    ResponderExcluir
  7. É o meu livro favorito da literatura brasileira contemporânea... adoro demais.

    Capitu é mito mesmo, talvez nem o Marçal tenha percebido o quanto ela inspirou a Lavínia.

    Ótima escolha! Gostei da resenha!

    ResponderExcluir
  8. Adorei sua resenha e tbm achei Lavinia muito Capitu!!
    Com certeza virou um livro preferido, indispensável!
    Gravei uma video resenha para o meu canal literário e vou postar em breve! Depois vai lá conferir (youtube: LidoLendo). Parabéns pelo blog! Gostei muito!! Beijinho da ISA!

    ResponderExcluir
  9. Esse livro parece ser o máximo!
    Essas recomendações, esse título, essa capa, essa editora... Tudo insiste para que eu leia a obra de Marçal. Desejadíssimo!

    www.quermedar.com

    ResponderExcluir

Siga @aline_tkm lá no Instagram!

Parceiros