‘Chicuarotes’: segundo filme dirigido por Gael García Bernal traz as consequências das escolhas de uma juventude sem perspectivas | Livro Lab
Últimos vídeos    |  Se inscreva no canal
Resenha: Duplo Eu  Resenha: Confissões do Crematório, de Caitlin Doughty  Resenha: O Cemitério, de Stephen King
Semana do Consumidor Amazon | Livros

‘Chicuarotes’: segundo filme dirigido por Gael García Bernal traz as consequências das escolhas de uma juventude sem perspectivas

Cinema latino-americano 4 de setembro de 2019 Aline T.K.M. Nenhum comentário

Chicuarotes: segundo filme dirigido por Gael García Bernal traz as consequências das escolhas de uma juventude sem perspectivas

Já nutria uma admiração sem igual por Gael García Bernal ator, porém ainda não conhecia sua faceta diretor. Chicuarotes, o segundo longa dirigido por Bernal (o primeiro foi Déficit, lançado em 2007), chega aos cinemas esta semana e retrata a realidade de muitos jovens moradores das periferias da Cidade do México.

Cagalera (Benny Emmanuel) e Moloteco (Gabriel Carbajal) são dois jovens que vivem no bairro de San Gregorio Atlapulco, na Cidade do México. Por meio da palhaçaria, buscam escapar das dificuldades e da situação opressora em que vivem. No entanto, sem muitas perspectivas, uma escolha impensada os colocará no mundo do crime.

Chicuarotes: segundo filme dirigido por Gael García Bernal traz as consequências das escolhas de uma juventude sem perspectivas

Com ótimo roteiro, Chicuarotes traz a dura realidade das classes desfavorecidas, de pessoas encurraladas e aprisionadas por suas condições de vida. A escolha pelo crime está sempre ali, pairando, à espreita, como se apenas aguardasse um momento de fragilidade maior dessas pessoas. Enquanto muitos resistem, tantos outros acabam por trilhar um caminho baseado na ilusão da solução rápida e mais fácil para os problemas.

Chicuarotes: segundo filme dirigido por Gael García Bernal traz as consequências das escolhas de uma juventude sem perspectivas

A violência também faz parte do cotidiano desses personagens, e não raro ela ocorre dentro da própria casa. Esse é o caso de Cagalera, cuja mãe é vítima de um relacionamento abusivo com o pai alcoólatra. Conhecendo apenas a violência, ele a reproduz na relação com os irmãos – especialmente com o irmão homossexual – e com os demais, de maneira geral. Seu único respiro é a amizade com o tranquilo e até ingênuo Moloteco, e o relacionamento com a responsável e cautelosa Sugehili.

Chicuarotes: segundo filme dirigido por Gael García Bernal traz as consequências das escolhas de uma juventude sem perspectivas

Palavra usada no bairro de San Gregorio Atlapulco, “chicuarote” é tanto um tipo de pimenta quanto uma gíria para se referir a pessoas teimosas, cabeças-duras. Assim são os personagens do longa. Esquecidos pelas autoridades e pelo poder, essas pessoas se encontram no limite e acabam por fazer elas mesmas a própria justiça, em um mundo onde cada um joga por si. Entre tantas narrativas semelhantes, as escolhas individuais é que decidem a trajetória de cada um deles.

Apresentando uma juventude que em alguns aspectos lembra a de Amores Brutos (de Alejandro González Iñáritu), Chicuarotes mostra o embate constante entre a esperança e o amargor, entre o caminho do bem e os atalhos da violência e do crime. Um filme para não perder.

TRAILER E INFOS




Chicuarotes (Chicuarotes) – 95 min.
México | 2019
Direção: Gael García Bernal
Roteiro: Augusto Mendoza
Elenco: Benny Emmanuel, Gabriel Carbajal, Leidi Gutiérrez, Daniel Giménez Cacho, Dolores Heredia, Ricardo Abarca, Enoc Leaño, Pedro Joaquín, Saúl Mercado

Estreia: 5 de setembro

Aline T.K.M.
Criou o Livro Lab há 9 anos e blogar é uma das coisas que mais ama fazer, além do teatro, da dança e dos mais variados tipos de expressões artísticas. Tem paixão por viajar e conhecer outras culturas. Ah, e ama ler em francês!

 

Você também vai  

Nenhum comentário

Siga @aline_tkm lá no Instagram!

Editoras Parceiras