A Bela Helena [Miriam Mambrini] #resenha | Livro Lab
Últimos vídeos    |  Se inscreva no canal
Leituras de outubro: 4 ótimos livros (ou quase!)  Resenha da HQ: A Diferença Invisível, de Julie Dachez e Mademoiselle Caroline  Resenha: As Primeiras Quinze Vidas de Harry August
Leituras de abril

A Bela Helena [Miriam Mambrini] #resenha

7Letras 7 de dezembro de 2015 Aline T.K.M. 6 COMENTÁRIOS


“Minha boca já não merece beijos. Meu rosto perdeu o viço, meu corpo não seduz mais.” É assim que, em determinado momento, Talita expressa seus sentimentos enquanto rememora os versos de um poema de Pessoa. À beira dos sessenta e do ano 2000.

A vida de Talita passa diante de seus olhos em memórias vívidas de sua infância e juventude. Deixada ainda menina pela mãe na casa dos avós, ela narra as dores, esperanças e aventuras de uma vida experimentada no Rio de Janeiro da segunda metade do século 20, vida que daria um bom romance. De fato, Talita passa a escrever suas lembranças, revivendo os períodos de sofrimento e os de felicidade que se intercalam em sua trajetória.

Entre a dualidade da relação com a mãe e o sofrimento relacionado ao próprio filho, Talita – “a bela Helena” – percorre caminhos sinuosos de adultério, intrigas e desencontros. E ainda há Laerte, uma paixão que aparece e desaparece de sua vida inúmeras vezes, mas cujos rastros jamais se apagam completamente.

Se a princípio eu não tinha ideia sobre o que esperar da leitura, A Bela Helena se revelou uma ótima companhia durante aqueles três ou quatro dias em que devorei o livro. Presente e passado se alternam, descortinando períodos da vida de uma mulher que busca pela felicidade. Ausências e perdas, casamentos fracassados, o afastamento do filho pequeno; a vida de Talita, cuja adolescência se passou nos “anos dourados”, é repleta de grandes traumas e decepções. A trajetória dessa mulher dolorida e forte, mas um tanto solitária, envolve quem a lê e por alguns instantes faz pensar sobre o tempo, sobre o processo necessário e quase nunca indolor que é amadurecer e ingressar na terceira idade.

A prosa gostosa da autora Miriam Mambrini aproxima ainda mais protagonista e leitor, o que faz com que certos momentos da trama – em especial, os mais dolorosos – toquem fundo e deixem resquícios de uma dorzinha aqui dentro. Mas, ponto bom e superválido mencionar, o romance não cai no dramalhão que poderíamos – com certo preconceito, confesso – esperar de histórias que trazem a trajetória de vida de protagonistas sofridas.

Se não traz material para uma reflexão mais profunda, A Bela Helena ao menos faz olhar para as lembranças e pensamentos da protagonista e trazê-los para dentro de si, numa constatação do que é o tempo e do que ele – e nossas próprias escolhas – pode fazer com nossas vidas.

LEIA PORQUE...
Talita, “a bela Helena” e a protagonista deste romance, é o retrato de uma mulher forte, já endurecida da vida e que, como todo ser humano na face da Terra, fez escolhas acertadas e outras nem tanto, bem como sofreu as consequências de escolhas de outras pessoas. Talita poderia muito bem ser o retrato de cada um de nós, algumas décadas mais adiante.

DA EXPERIÊNCIA...
Leitura rápida e gostosa. Foi meu primeiro contato com a escrita de Miriam Mambrini e o saldo foi positivo.

FEZ PENSAR EM...
As mudanças no Rio Janeiro ao longo das décadas em paralelo ao decorrer da vida da protagonista. Este é um caso em que o pano de fundo faz diferença e conversa diretamente com a trama – gosto de livros assim.

QUANTO VALE?

Título: A Bela Helena
Autor(a): Miriam Mambrini
Editora: 7Letras
Edição: 2015
Ano da obra: 2015
Páginas: 212
Onde comprar: Submarino | Shoptime

Aline T.K.M.
Criou o Livro Lab há 7 anos e blogar é uma das coisas que mais ama fazer, além do teatro, da dança e dos mais variados tipos de expressões artísticas. Tem paixão por viajar e conhecer outras culturas. Ah, e ama ler em francês!

 

Você também vai  

6 COMENTÁRIOS

  1. Ahh, gostei do pano de fundo ser a passagem das décadas no Rio de Janeiro. Valeu pela dica.

    Beijocas,
    Ronize Aline

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim! Realmente esta é uma característica especial, gosto quando o lugar ocupa um papel relevante na trama. Beijos!

      Excluir
  2. Gosto de histórias ambientadas no rio, mas confesso que achei muito baixo astral a história :( Ótima resenha :)
    boa semana :)

    Red Behavior

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não é uma história feliz, mas é bem bonita. E é verdade que o fato de se passar no Rio é algo memorável, deixa a trama mais especial. Beijos!

      Excluir
  3. Adorei a resenha também! Já haviam me falado desse livro e aqui conheci ele melhor.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada! É um bom livro, se tiver a chance de lê-lo, super recomendo! =)

      Excluir

Siga @aline_tkm lá no Instagram!

Parceiros