2083 [Vicente Muñoz Puelles] #resenha | Livro Lab
Últimos vídeos    |  Se inscreva no canal
3 motivos para ver Descendentes 2, o novo filme do Disney Channel  Resenha: Civilizações – A Fonte: dois mundos, uma jornada, de Wallace Horta  Making of O Reino Gelado – Fogo e Gelo: com Larissa Manoela, João Guilherme, João Côrtes e Lipe Volpato
Leituras de abril

2083 [Vicente Muñoz Puelles] #resenha

Biruta 21 de julho de 2015 Aline T.K.M. 4 COMENTÁRIOS


Já imaginou viajar dentro das histórias dos seus livros preferidos, vivendo-as e modificando-as da maneira que quiser? Em 2083, do espanhol Vicente Muñoz Puelles, tal façanha é possível!

O ano é 2083. Os livros de papel são itens raríssimos e mesmo os livros digitais já não estão disponíveis por aí – não havendo quem se interesse em ler livros, não há porque continuarem existindo... Tudo o que restou está na Cosmonet e, mesmo assim, apenas os títulos que ainda continuam a ser buscados. Outra opção é a Docuteca Nacional, um local que armazena arquivos de todos os tipos e categorias, e onde estão guardados os livros de papel que restaram. Mediante a solicitação de algum usuário, um livro do acervo pode ser escaneado e impresso num papel mais estável e que não se degrade facilmente, possibilitando sua leitura.

É neste mundo que vive David, o protagonista desta história. Ele tem 16 anos, um cão robô chamado Nove, é educado através da teleaula e passa o tempo na companhia do videogame. David nunca leu um livro inteiro na vida. Uma vez tentou ler David Copperfield, mas desanimou e abandonou a leitura nos dois primeiros capítulos.

David também nunca havia visto um livro de papel de verdade, assim, na sua frente. Até se inteirar de que seu bisavô fora um conhecido escritor, e o último exemplar de seu livro A ilha dos livros perdidos se encontra no armário de seu pai, dentro de uma urna transparente lacrada. É que o livro é tão antigo que em contato com o ar se desintegraria no mesmo instante.

A narrativa bastante ágil nos mostra um David curioso a respeito dos livros, que tenta a todo custo achar uma maneira de conseguir ler os escritos do bisavô. Essa curiosidade se estende a outros livros e, com isso, passa a frequentar a empresa em que o pai trabalha: uma agência de turismo que leva o cliente a viajar pelo interior dos livros, a partir de amplificadores de inteligência!

Na Bibliotravel, o jovem é transportado para dentro da história de Davi e Golias. O entusiasmo é tanto que decide viajar também pelos clássicos homéricos Ilíada e Odisseia; num outro dia, vive aventuras ao lado de Dom Quixote.

Para quem gosta de ação e busca uma trama leve e divertida, 2083 promete agradar em cheio. A curiosidade e a sede por descobertas levam o jovem protagonista a desbravar caminhos nunca antes imaginados, e acabam despertando nele um interesse genuíno pela literatura. À medida que viaja pelo interior dos livros, ele também busca ler as obras – na Cosmonet – para saber mais do universo de cada uma delas e a maneira como terminam.

Os que curtem livros que falam de livros também se deleitam neste título do Puelles. É sempre gostoso encontrar referências de outros autores e obras, que nos fazem buscar ler outros livros; pois aqui em 2083, muito mais que referências, realmente conhecemos um bocadinho da história de alguns clássicos da literatura e é impossível (de verdade!) não ser tentado a incluir esses títulos e autores – recém-descobertos para muitos – à listinha de “preciso ler”. O que acontece com o leitor é mais ou menos aquilo que ocorre com o próprio David: vivenciando as histórias, ele descobre que a literatura – e os clássicos – não tem nada de entediante, mas traz todo um universo aventuresco prontinho para envolver quem nele embarcar! Claro que David Copperfield não fica de fora, o garoto volta a se interessar pela obra e passa momentos aflitivos na pele do jovem protagonista da história de Dickens.

Ser adolescente é ter de lidar com descobertas a todo instante, e isso David sente na pele. Entretanto, por mais livros que leia e histórias dentro das quais viaje, um mistério continua a mantê-lo inquieto: o amor. David nunca se apaixonou, não sabe o que é sentir amor por uma garota; é também através dos livros e da Bibliotravel que ele procura matar essa curiosidade e desvendar um pouquinho desse enigma que é estar apaixonado. Tenso, ele não imagina o que o espera nessa nova aventura!

Bem juvenil, 2083 é um livro adorável e que merece a atenção do leitor, em especial dos mais novos, que certamente se identificarão com as curiosidades e os anseios do protagonista. Conhece algum pré-adolescente que não se interessa muito por livros? Pois 2083 tem tudo para mexer com a curiosidade e começar a operar algumas mudanças aí...

LEIA PORQUE...
Com trama leve, bem-humorada e recheada de aventura, 2083 nos faz lembrar porque amamos tanto os livros!

DA EXPERIÊNCIA...
Sou fã da editora Biruta e isso não é segredo para ninguém! Ao contrário dos outros títulos da editora que li, que vão mais para o lado sensível e delicado, 2083 traz aventura e ritmo acelerado. Resultado: o livro diverte e dá para devorar em duas sentadas! E, mais uma vez, a editora está de parabéns ao nos encantar com uma edição caprichadinha! ♥

FEZ PENSAR EM...
A Livraria 24 Horas do Mr. Penumbra, que pode ser uma opção legal para o leitor mais jovem ao trazer aventura, agilidade e tecnologia numa trama superleve – mas não tão cativante quanto a de 2083, é preciso ressaltar.

QUANTO VALE?

Título/Título original: 2083
Autor(a): Vicente Muñoz Puelles
Tradução: América Marinho e Sandra Nunes
Editora: Biruta
Edição: 2012
Ano da obra: 2008
Páginas: 140
Onde comprar: Livraria Cultura | Submarino | Saraiva | Amazon (livro físico)

Aline T.K.M.
Criou o Livro Lab há 7 anos e blogar é uma das coisas que mais ama fazer, além do teatro, da dança e dos mais variados tipos de expressões artísticas. Tem paixão por viajar e conhecer outras culturas. Ah, e ama ler em francês!

 

Você também vai  

4 COMENTÁRIOS

  1. Estou muito afim de ler esse livro \o/ Gostei muito de todas as resenhas que já li dele :3

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Para falar a verdade, li poucas resenhas dele, mas lembro de ter sido bastante falado na época da Bienal, a Biruta realizou uma ação envolvendo o livro e tal. Gostei da leitura, bem levezinha, divertida. ^^ Bjos!

      Excluir
  2. Oi querida,
    Adorei o texto. Eu gosto de alguns livros com essa abordagem mais juvenil, ainda que tenha problemas com alguns deles. Contudo, este em especial muito me interessou. A começar pelo título que já me sugere algo voltado para ficção científica, gênero pelo qual tenho uma mega queda, na verdade é meu favorito.
    Adorei saber que tem jm cachorrinho robô. ;)
    Adoraria ler. Vou tomar nota.
    Beijos e parabéns pelo texto.
    Ademar Júnior
    Blog Cooltural

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Ademar, pois é, comigo acontece algo mais ou menos assim também: gosto dos infantojuvenis e YA, mas às vezes parece que a leitura não flui tão bem, às vezes o livro me parece bobo. Mas sabe que os títulos que já li da Biruta sempre me conquistaram completamente; este no caso é mais juvenil mesmo, mas os demais que li eram de uma sensibilidade muito apurada, madura até.
      2083 é um livro divertido e bem light. Ele tem simpatiza com a ficção científica, embora não pertença completamente ao gênero. Recomendo a leitura, sempre tendo em mente que é um livro juvenil. =) Bjs!

      Excluir

Siga @aline_tkm lá no Instagram!

Parceiros