3 motivos para ver “Saint Laurent” | Livro Lab
Últimos vídeos    |  Se inscreva no canal
Leituras mais recentes – parte 1: thrillers e Meus 15 Anos  3 motivos para ver Descendentes 2, o novo filme do Disney Channel  Resenha: Civilizações – A Fonte: dois mundos, uma jornada, de Wallace Horta
Leituras de abril

3 motivos para ver “Saint Laurent”

3 motivos para ver 11 de dezembro de 2014 Aline T.K.M. 4 COMENTÁRIOS


Apesar de só tê-lo assistido recentemente, Saint Laurent já está há umas semanas em cartaz. Trata-se do segundo filme lançado este ano sobre a vida do estilista francês Yves Saint Laurent (1936-2008). Sob a direção de Bertrand Bonello, Saint Laurent concorreu à Palma de Ouro no Festival de Cannes e é o indicado oficial da França na disputa pelo Oscar 2015.

O longa aborda o período entre 1967 e 1976 da vida do estilista que revolucionou a moda com o smoking feminino e as peças com inspiração em obras de artistas como Mondrian. Em duas horas e meia de filme, visitamos o ateliê, a imponente residência, as criações, os casos amorosos e a vida noturna regada a drogas e orgias sexuais dessa figura um tanto peculiar que foi Yves Saint Laurent.

Sabe aquele filme que te dá a sensação de estar diante de uma obra de arte? Foi isso que Saint Laurent me provocou. Quer mais detalhes? Então veja abaixo 3 motivos pelos quais recomendo assisti-lo!

1. O Saint Laurent de Bonello é uma cinebiografia não autorizada. Inclusive, foi negada qualquer colaboração de Pierre Bergé, ex-companheiro do estilista e cofundador de sua grife. Na prática, isso significa que o resultado não podia ser mais incrível; totalmente livre e até surreal, o filme de Bonello tem um aspecto fictício importante e não se preocupa em limitar-se à verdade. E é aí que a arte acontece.

Saint Laurent sai do campo das cinebiografias tradicionais. Não linear, o filme abusa de idas e vindas no tempo para mostrar os excessos do estilista, o rigor e a atenção aos detalhes, bem como a tendência depressiva e autodestrutiva.

2. Moda! Sendo o filme sobre Yves Saint Laurent, esse aspecto não podia ficar de fora! Desfiles, provas de roupas e o próprio processo de criação de Saint Laurent aparecem ao longo da trama. Aliás, como o filme não teve a colaboração de Pierre Bergé e nem foram cedidas peças da coleção de Saint Laurent, todos os modelos de alta-costura dos desfiles tiveram de ser criados especialmente para a produção do longa.

Ainda, em um dos momentos memoráveis do filme, a tela é dividida ao meio: de um lado, modelos apresentam as peças do estilista; do outro, as ruas de Paris faíscam por ocasião das manifestações de maio de 68. Recurso que além de evocar as linhas de Mondrian, mostra o que o estilista criava na época, além de ressaltar como Saint Laurent parecia alheio àquela turbulência de então, fechado em seu mundo.

3. Trilha sonora ideal e referências artísticas aos montes. A trilha sonora traz Velvet Underground, Patti Austin, Maria Callas; contrastante, com sintetizadores e por vezes utilizada de forma não óbvia, achei que a trilha foi o complemento ideal para o filme.

Quanto às referências artísticas, elas permeiam todo o filme. Desde a literatura de Proust (Saint Laurent era obcecado pelo escritor), até a pintura de Mondrian (que foi inspiração para o estilista) e Matisse, passando pela pop art de Andy Warhol – com quem Saint Laurent mantinha uma amizade.



BÔNUS! Garpard Ulliel manda incrivelmente bem na pele de Yves Saint Laurent. E ainda tem Louis Garrel como Jacques de Bascher (com quem o estilista viveu uma história de amor) e Léa Seydoux como Loulou de La Falaise (amiga de Saint Laurent). Aliás, ver Garrel e Seydoux na mesma produção me fez pensar em A Bela Junie (La Belle Personne), um dos vários filmes do cineasta Christophe Honoré que adoro.

TRAILER E SINOPSE

SINOPSE: Entre os anos 1967 e 1976, o estilista Yves Saint Laurent reinou sozinho no mundo da alta-costura francesa. Esta biografia mostra o seu processo criativo, as fotografias e entrevistas polêmicas, a relação com o marido e empresário Pierre Bergé, os casos amorosos extraconjugais e a relação com o álcool e as drogas, que quase destruíram o império da marca YSL.
Saint Laurent (de Bertrand Bonello, França, 2014)

Aline T.K.M.
Criou o Livro Lab há 7 anos e blogar é uma das coisas que mais ama fazer, além do teatro, da dança e dos mais variados tipos de expressões artísticas. Tem paixão por viajar e conhecer outras culturas. Ah, e ama ler em francês!

 

Você também vai  

4 COMENTÁRIOS

  1. Oi Aline,
    Adorei o post, é um filme que quer ver há algum tempo já. Espero fazê-lo em breve. Nosso colaborador que escreve sobre cinema no blog assistiu ele há algumas semanas e será o tema da próxima resenha dele, que deve ir ao ar próxima semana, ou nesse final de semana ainda.
    Vou indicar seu post pra ele.
    Bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É muito bom o filme, recomendo! Imaginava que fosse bom, mas realmente não achava que fosse tanto. Por ser longo, ele pode ser um pouco cansativo, mas é muito bonito visualmente, tem ótimos atores, o figurino, e a maneira diferenciada com que a história foi contada. Enfim, vale a pena! Ah, sim, depois passarei lá no Cooltural para ler a resenha. =) Beijo.

      Excluir
  2. Deixa te dizer uma coisa. Quase tive um ataque quando descobri dois filmes de Saint Laurent este ano.
    E fiquei totalmente eufórica com Louis Garrel e Gaspard Ulliel se pegando no filme ♥ ♥ Meus atores preferidos.

    Gostei bastante deste filme, bem melhor que o outro.

    Beijinhos, Helana ♥
    In The Sky, Blog / Facebook In The Sky

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Então, o primeiro deles (do Jalil Lespert) eu não assisti e até andei lendo algumas críticas dizendo que o filme esteve bem "quadradinho", nada de especial. Agora esse Saint Laurent... é lindo, gostei muito, fotografia bonita, enfim. E com certeza também fiquei mega animada com a ideia de Garrel e Gaspard juntos. Aliás, tudo o que tiver o Louis Garrel no meio está ótimo hahaha. Beijão!

      Excluir

Siga @aline_tkm lá no Instagram!

Parceiros