Minha Querida Sputnik [Haruki Murakami] | Livro Lab
Últimos vídeos    |  Se inscreva no canal
Leituras de outubro: 4 ótimos livros (ou quase!)  Resenha da HQ: A Diferença Invisível, de Julie Dachez e Mademoiselle Caroline  Resenha: As Primeiras Quinze Vidas de Harry August
Leituras de abril

Minha Querida Sputnik [Haruki Murakami]

Alfaguara 24 de março de 2014 Aline T.K.M. 4 COMENTÁRIOS

Sumire ao telefone com K. (imagem daqui)

Murakami nos presenteia com sua prosa envolvente em uma história de amor e de solidão, em que pitadas do fantástico dão sabor de mistério ao conjunto.

K., o narrador, é um jovem professor platonicamente apaixonado por Sumire. 22 anos, aspirante a escritora e fã de Kerouac, Sumire – “Violeta” em japonês – usa meias que não combinam e anda sempre despenteada. Conhecerá o significado de estar apaixonada ao conhecer Miu, empresária no ramo de importação de vinhos e dezessete anos mais velha, que a chama para ser sua assistente pessoal e a leva em suas viagens de negócios. Em uma ilha na Grécia, porém, Sumire encontra o inesperado e somente K. poderá salvá-la.

No instante em que Miu tocou em seu cabelo, Sumire se apaixonou, como se estivesse atravessando um campo e, bang!, um raio caísse direto em sua cabeça. Algo parecido com uma revelação artística. Foi por isso que, a essa altura, não tinha importância para ela que a pessoa por quem se apaixonasse fosse uma mulher.

Um triângulo amoroso tão fora do usual quanto incerto é o que o leitor encontra logo de cara em Minha Querida Sputnik. Em paralelo aos efeitos avassaladores da paixão, caminham as inseguranças e a falta de experiência juvenis.

Ainda, algumas questões existenciais acometem os três protagonistas. Eventos inexplicáveis do passado deixam sequelas importantes e uma solidão praticamente invencível domina a vida presente. As existências de K., Sumire e Miu se esbarram e deixam marcas umas nas outras; contudo, não podem evitar o sentimento de se estar só, tal como um satélite que orbita avulso na imensidão do espaço.

Embora uma década separe este romance da aclamada trilogia 1Q84, algumas semelhanças não podem deixar de ser notadas. Música clássica, gatos e família ausente e/ou problemática são características marcantes nas duas obras. Sem esquecer a solidão, o mistério para além do real e as dualidades – quase tudo ganha caráter duplo nas histórias –, que são grandes atrativos dos livros do autor japonês.

K. é quem narra os fatos em primeira pessoa e é muito interessante a maneira como fala com propriedade de Sumire, sua amada. Como se a conhecesse melhor do que ela mesma, ele nos revela cada canto obscuro de Sumire; podemos sentir quase na pele, no entanto, a frustração de K. ao se deparar com territórios até então desconhecidos na vida da garota.

Miu é, talvez, a personagem mais instigante da trama. Misteriosa e cheia de barreiras, a mulher guarda segredos que impõem um desafio à compreensão – até dela mesma.

Poético e introspectivo, Minha Querida Sputnik é como um pedido de socorro, quase uma súplica por respostas. É o grito silencioso de Sumire, K. e Miu que, de tão desesperado, é lançado a esmo como uma garrafa transportando uma mensagem em alto-mar, sem saber a quem se dirigir ou que rumo tomar.

LEIA PORQUE...
Certamente não vai passar batido entre os que curtem personagens complexos – e mergulhos no âmago de cada um deles. Sem falar que o texto envolve e seduz a todo momento.

DA EXPERIÊNCIA...
Mais uma vez, me apaixonei pela narrativa do autor. E fiz as pazes com o sentimento de frustração que tive com o final de 1Q84.

FEZ PENSAR EM...
Gatos, livros e sebos. Não necessariamente nessa ordem.

Título: Minha Querida Sputnik
Título original: Sputnik Sweetheart
Autor(a): Haruki Murakami
Tradução: Ana Luiza Dantas Borges
Editora: Alfaguara
Edição: 2008
Ano da obra: 2001
Páginas: 229
Onde comprar: Americanas.com | Livraria Cultura | Livraria Cultura (e-book)

Aline T.K.M.
Criou o Livro Lab há 7 anos e blogar é uma das coisas que mais ama fazer, além do teatro, da dança e dos mais variados tipos de expressões artísticas. Tem paixão por viajar e conhecer outras culturas. Ah, e ama ler em francês!

 

Você também vai  

4 COMENTÁRIOS

  1. Que resenha deliciosa! Eu nunca experimentei ler nada ocidental e acho que esse livro veio bem a calhar. Sou apaixonada por personagens complexos e histórias que nos envolvem desse jeito. Já está na minha lista de desejados.

    http://surtosliterarios.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Aline, eu adoro Murakami, esse já estava na lista, agora então... Quero já! Excelente resenha, parabéns!

    Bjs, Isabela.
    www.universodosleitores.com

    ResponderExcluir
  3. Eu quero muito ler algo do Murakami, gostei bastante da sinopse desse livro e os seus comentários me deixaram bastante curiosa.

    ResponderExcluir
  4. Já tinham me recomendado esse livro. Faz tempo que tô pra ler algum coisa dele, mas sempre acaba surgindo algo na frente. Preciso pegar um dia na marra mesmo, sabe aquela coisa de sentar e falar "hoje vai"?

    ResponderExcluir

Siga @aline_tkm lá no Instagram!

Parceiros